01 março 2024 \ Caldas das Taipas
tempo
18 ºC
pesquisa

Vacinar para prevenir

Ana Menezes
Sociedade \ segunda-feira, dezembro 11, 2023
© Direitos reservados
Portugal tem um Plano Nacional de Vacinação que foi implementado em 1965. Ao longo dos anos tem sofrido atualizações, a última é de 2020.

As vacinas são uma importante arma de prevenção e proteção contra as doenças, tendo contribuído para erradicação de algumas doenças. O último caso de Poliomielite registado em Portugal foi em 1986 e desde 2002 que a Europa está livre desta doença. Estes resultados devem-se à introdução da vacina contra a Poliomielite e também à melhoria das condições de saneamento.

As vacinas podem ser dadas em injeção ou podem ser bebíveis e são constituídas por partes de microrganismos (vírus ou bactérias) ou por microrganismos vivos atenuados ou inativos (a vacina contra a Tuberculose – BCG, a vacina contra o Rotavírus, a vacina contra a Poliomielite - VIP e a vacina contra o Sarampo, Parotidite epidémica e Rubéola – VASPR). Depois da administração das vacinas o nosso sistema imunitário reage com a produção de anticorpos. Estes anticorpos vão permitir que, quando houver contacto com o microrganismo que causa a doença, o nosso corpo tenha uma reação mais forte evitando a doença mais grave.

Depois da administração das vacinas é natural haver sintomas ligeiros como dor e edema no local da injeção, febre, dores musculares, pingo no nariz, tosse, entre outros. O aparecimento destes sintomas não significa que a vacina não é eficaz ou que nos está a fazer mal.

Portugal tem um Plano Nacional de Vacinação que foi implementado em 1965. Ao longo dos anos tem sofrido atualizações, a última é de 2020.

Para além do Plano Nacional de Vacinação há campanhas nacionais de vacinação sazonais – contra a Gripe e contra a COVID-19. Nestas campanhas a Direção-Geral da Saúde emite normas onde são definidos grupos de risco para os quais é recomendada a vacinação/ reforço sazonal, os tipos de vacinas disponíveis e os locais de vacinação.

Nesta altura está a decorrer a vacinação sazonal contra a Gripe e a COVID-19 tanto nos centros de saúde e este ano foi alargado às farmácias comunitárias.

A vacinação sazonal contra a gripe é recomendada a pessoas com mais de 60 anos (inclusivé), adultos e crianças com doenças crónicas1, grávidas, profissionais de saúde, prestadores de cuidados, profissionais de creches e infantários e estabelecimentos prisionais.

A vacinação sazonal contra a COVID-19, época Outubro-Inverno 2023-2024, é recomendada a profissionais e residentes em estruturas residenciais para idosos ou instituições similares e na Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados e estabelecimentos prisionais, pessoas com mais de 60 anos (inclusivé), grávidas, profissionais de saúde ou prestadores de cuidados, e pessoas entre os 5 e 59 anos com determinadas doenças crónicas1.

 

1 – Informe-se junto do seu Centro de Saúde da lista de patologias elegíveis.

 

Bibliografia

 - Portugal. Ministério da Saúde. Direção-Geral da Saúde. Norma 005/2023. Campanha de Vacinação Sazonal contra a COVID-19: Outono-Inverno 2023-2024. Lisboa: DGS; 2023 set 13. Disponível em https://www.dgs.pt/normas-orientacoes-e-informacoes/normas-e-circulares-normativas/norma-0052023-de-13092023-pdf.aspx

 - Portugal. Ministério da Saúde. Direção-Geral da Saúde. Norma 006/2023. Campanha de Vacinação Sazonal contra a Gripe: Outono-Inverno 2023-2024. Lisboa: DGS; 2023 set 26. Disponível em https://www.dgs.pt/ficheiros-de-upload-2013/norma-para-vacinacao-sazonal-contra-a-gripe-2023-pdf.aspx

- Portugal. Ministério da Saúde. Direção-Geral da Saúde. Programa Nacional de Vacinação 2020. Lisboa: DGS; 2020 set 27. Disponível em https://www.dgs.pt/normas-orientacoes-e-informacoes/normas-e-circulares-normativas/norma-n-0182020-de-27092020-pdf.aspx

 - Portaria n.º 264/2023, de 17 de agosto de 2023