19 outubro 2021 \ Caldas das Taipas
tempo
18 ºC
pesquisa

Taipas virada do avesso

Vera Rosas Guimarães
Opinião \ quinta-feira, abril 08, 2021
© Direitos reservados
Vamos recuperar o orgulho e prazer de falar da nossa terra! Não falar apenas de como ela era mas, também, no que se tornou e no que poderá vir a ser!

Desde que saímos de casa que nos deparamos com diversos obstáculos, novos “vizinhos” (engenheiros, mestres de obras, calceteiros, etc.…) e somos confrontados com um novo parque automóvel (escavadoras, retroescavadoras, camiões...). Tudo isto porquê?

“Obras de Requalificação do Centro Cívico de Vila das Taipas”.

Há muitos anos que ouvimos falar da necessidade de dotarmos a nossa vila com melhores condições. Há muitos anos que falamos na necessidade de, por um lado, modernizarmos a nossa terra e, por outro, recuperarmos toda uma história, todo um passado que torna este local especial.

E é só com estes últimos pensamentos que podemos aceitar/tolerar todo este caos em que as Taipas se encontra.

Claro que não é agradável despertar ao som de máquinas. Claro que não é agradável pegar no carro e sermos confrontados com um trânsito “urbano” que mais parece o de uma grande metrópole (pára-arranca, pára-arranca). Chegar a casa e “lançar moeda ao ar” para ver se nos calha um lugar para estacionar perto. Procurar a nossa árvore favorita e não a encontrar. Perder a noção da cor original da nossa casa (tal é o pó que abunda nela), assim como dos nossos carros. Ter quase a necessidade de “meios aéreos”, para ter acesso a determinados locais...

Sim, as nossas rotinas foram drasticamente alteradas e tudo isto é desagradável.

Num contexto por si só complicado (pandémico), esta mudança, que se quer para melhor, veio dificultar o nosso dia a dia e fez-nos ponderar se valeria a pena todo este reboliço.

A única forma de aceitarmos toda esta situação será sempre partir do princípio que todas estas alterações terão como fim tornar Caldas das Taipas uma vila melhor, com olhos para o futuro, certo, mas também com a defesa da identidade que a sua rica história lhe confere.

Quero voltar a dar umas braçadas no nosso rio, mostrar aos meus filhos os locais onde passei a minha infância (agora renovados) mas também quero ver as Taipas a crescer! Quero ver condições físicas, materiais para revitalizar o comércio local, quero ver espaços dignos para que a nossa restauração possa despertar, quero uma vila ativa para todo um potencial criativo, cultural e desportivo que as nossas associações produzem… claro que quero! Se para ter tudo isto é preciso “virar a casa de pernas para o ar”, seja. Aguentamos.

Mas não vamos desperdiçar esta oportunidade!

Vamos recuperar o orgulho e prazer de falar da nossa terra! Não falar apenas de como ela era mas, também, no que se tornou e no que poderá vir a ser!

Será um trabalho difícil e que a todos compromete, mas valerá a pena!