01 outubro 2022 \ Caldas das Taipas
tempo
18 ºC
pesquisa

O Regresso dos Emigrantes

Vera Rosas Guimarães
Opinião \ quinta-feira, agosto 25, 2022
© Direitos reservados
São opiniões de alguém que, embora não tenha tido a experiência da emigração, sempre viu os nossos emigrantes (com todos os defeitos e virtudes) como motivo de orgulho e inspiração!

Da Alemanha, França, Bélgica, Estados Unidos… enfim, de todos os cantos do mundo, regressam, ainda que por um curto período de tempo, os nossos emigrantes!

Bem-vindos à vossa casa!

Podemos refletir sobre este “regresso” sob várias perspetivas e, nem sempre, positivas.

Por vezes (e por alguns) a chegada dos nossos compatriotas é associada a um tipo de comportamento menos correto, a uma postura e atitude, por parte dos emigrantes, de arrogância, exibicionismo ou outras, resultantes de uma suposta necessidade de afirmação da sua suposta vida atual bem-sucedida. Eu não vou por aí!

Claro que conhecemos alguns casos cujo comportamento corresponde ao que referi anteriormente, mas tal não acontece apenas com os emigrantes! Possivelmente, temos exemplos diários dentro de portas de comportamentos idênticos.

Quando falo em emigrantes prefiro pensar naqueles que, na perspetiva ou na necessidade de uma vida melhor, apostaram num projeto fora do pais.

Existem diversas razões para essa aposta que, na minha opinião, foram mudando com o passar dos tempos.

Se na minha geração (e anteriores), as pessoas de um modo geral, tendiam a emigrar porque estavam numa situação financeira ou de sustento complicada, hoje podemos encarar os motivos da emigração de uma forma mais abrangente.

Creio que as pessoas continuam a emigrar para melhorar as suas condições de vida, mas num contexto diferente. Não querendo dizer que é mais fácil ou mais difícil que noutros tempos, com a globalização, as novas opções e vias de comunicação, emigrar pode já não ser o afastar doloroso da família, o “exilio” forçado pela necessidade, mas sim mais uma opção profissional ou/ e de realização pessoal noutro pais sem implicar um corte mais ou menos radical com a vida familiar e social no seu país.

Independentemente das motivações ou das condições em que se opta pela emigração, o “regresso”, ainda que temporário, ao pais, à terra de origem é sempre especial.

É o reencontro com a família e amigos! Por muitas “vídeo chamadas” ou redes sociais que existam, o estar com os nossos é insubstituível!

É o apresentar, a gerações já nascidas nos países de emigração, as suas terras e as suas gentes!

A chegada dos nossos emigrantes, em alguns locais mais remotos do nosso pais, significa o “ressurgir da vida”! É motivo para festejar, comemorar!

Partilham se memórias do passado e projetos, ambições para o futuro.

As festas (religiosas ou não) surgem em cada cidade, freguesia ou local!

Tudo isto claro que implica uma alteração/ ajuste nos nossos hábitos diários, mas vale a pena!

Estas ideias/ pensamentos que, de uma forma avulsa, com vocês partilho pretendem apenas ser motivo para uma, embora singela, sentida homenagem a todos aqueles(as) que partiram e continuam a partir para outros países em busca de realizar os seus projetos de vida!

Todas as opiniões que aqui deixo são apenas isso: minhas opiniões!

São opiniões de alguém que, embora não tenha tido a experiência da emigração, sempre viu os nossos emigrantes (com todos os defeitos e virtudes) como motivo de orgulho e inspiração!

A todos bem-vindos à vossa terra!