18 outubro 2021 \ Caldas das Taipas
tempo
18 ºC
pesquisa

Luís Soares e Domingos Bragança: os grandes vencedores da noite eleitoral

Alfredo Oliveira
Opinião \ sexta-feira, outubro 08, 2021
© Direitos reservados
Luís Soares não tem o PS unido. A eleição para a concelhia será o primeiro teste do que iremos assistir internamente neste partido até 2025.

Luís Soares e Domingos Bragança dormiram, certamente, muito bem na noite de 26 de setembro.

Grandes vencedores das eleições autárquicas, reforçaram as suas posições políticas nestas eleições, apesar de terem uma quebra nos resultados absolutos face a 2017.

Na freguesia de Caldelas voltou a imperar a centralização dos votos nos dois principais candidatos. Constantino Veiga perdeu a possibilidade de atenuar um pouco a derrota eleitoral por vinte votos. Caso tivesse esse acrescento na votação, teria conseguido um sexto membro na Assembleia de Freguesia. Mas, para quem apontava para a vitória, não seria esse sexto membro que acrescentaria algo de substancial.

Luís Soares, a imagem ficou na noite eleitoral, respirava felicidade pelo resultado obtido. Perante os taipenses e perante os socialistas mostrou, mais uma vez, que é um candidato vencedor e sem receio do confronto eleitoral.

Para a Câmara Municipal, Domingos Bragança alcançou um resultado que não deixou dúvidas. Parte para o seu último mandato evidenciando que, nesta altura, não existe outro candidato que lhe pudesse disputar o lugar.

Bruno Fernandes, escrevemos isso no mês anterior, mesmo reforçando a votação (como aconteceu), tal não significaria que pudesse vencer as eleições. Com mais 139 votos para a Câmara teria mantido o quinto vereador. No entanto, o PSD não se pode contentar em perder por poucos ou ficar por vitórias morais. Tem quatro anos para se preparar devidamente e ficar em condições de acabar com a hegemonia socialista de 36 anos no poder, sim, completam-se 36 anos em 2025.

Apesar das vitórias incontestadas, Domingos Bragança e Luís Soares, em diferentes patamares, não vão ter nos próximos tempos a tranquilidade que os resultados eleitorais aparentam. Domingos Bragança terá um executivo profundamente remodelado e muito jovem. Naturalmente que a experiência só se ganha passando pelos cargos, mas na fase inicial o Presidente da Câmara terá de “acudir a muitos fogos”.

Luís Soares não tem o PS unido. A eleição para a concelhia será o primeiro teste do que iremos assistir internamente neste partido até 2025.

 

Sobe

Ter voz na Assembleia Municipal

A Assembleia Municipal será o único órgão onde os partidos para além do PS e da coligação JpG terão uma representação traduzida nos votos obtidos a 26 de setembro.

CDU, Chega, Bloco de Esquerda e Iniciativa Liberal terão oportunidade de, neste espaço, acrescentar algo ao debate político.

Espera-se que este órgão saiba dar voz a quem não tem outras oportunidades de expressar as suas ideias.

 

Desce

Trânsito caótico no centro da vila

A abertura do ano letivo veio acentuar o problema. As obras no centro também dão o seu contributo. As manhãs e finais de tarde no centro da vila e na pretensa “circular” são uma autêntica dor de cabeça para os automobilistas.

Um automobilista vindo dos lados da Póvoa de Lanhoso tem de passar por quatro rotundas, por dois semáforos e ainda aguentar os pais a parar em frente à escola EB 2,3. Dos lados de Braga, o condutor não passa por melhores momentos. A vila precisa urgentemente de um plano de intervenção.