10 dezembro 2023 \ Caldas das Taipas
tempo
18 ºC
pesquisa

Padre José Maria Felgueiras: “Mártir da Caridade e Santo para o povo"

Carlos Marques
Opinião \ segunda-feira, novembro 20, 2023
© Direitos reservados
Em 10 de março de 1937, celebra a primeira missa, o Reverendo José Maria Felgueiras. A igreja é diminuta para comportar todas as pessoas. Preside à cerimónia o Pároco de São Tomé de Caldelas.

1932/04/20: Veste pela primeira vez a sua batina, visto ter sido admitido à tomada de hábito, por unanimidade de todos os seus companheiros e professores.

1933/08: No Seminário Maior dos Missionários do Espírito Santo, termina bem classificado, o seu curso superior de Filosofia. Parte para Orly para ali fazer o seu Noviciado.

1934/09/08: Faz o noviciado em Grignon, Orly, nos arredores de Paris. Durante um ano inteiro faz a chamada profissão religiosa. Oferecendo a Deus a sua juventude e a sua vida. No silêncio sagrado das penumbras do templo, capela do Noviciado de Orly, faz os três votos simples de pobreza, castidade e obediência à Congregação do Espírito Santo e do Coração de Maria.

-Regressa ao escolasticado de Viana a fim de aqui fazer o seu Curso de Teologia. Terminando-o  muito bem classificado.

1937/04/17: Emite os votos perpétuos, com uma dispensa de 6 meses de votos temporários. A fim de poder ser ordenado subdiácono, em conformidade com os sagrados cânones

1937/09/26: É ordenado sacerdote pelo Arcebispo Primaz D. António Bento Martins Júnior, na igreja do Seminário das Missões em Viana do Castelo.

1937/10/03: Celebra a primeira Missa, o novo levita do Senhor, Reverendo José Maria Felgueiras. A igreja é diminuta para comportar todas as pessoas. Preside à cerimónia o Pároco de São Tomé de Caldelas, o Padre António José da Silva Gonçalves.

1938/07/03: Terminado mais um ano de estudos teológicos, chega finalmente o ambicionado dia da sua Consagração ao Apostolado, recebe a sua “obediência”, investidura de missionário.

1938/10/24: Embarca para a África, em Lisboa no navio Quanza, ruma a Nova Lisboa em Angola. Vai na companhia do Prefeito Apostólico de Nova Lisboa, primeiro Bispo daquela diocese, D. Daniela Gomes Junqueira e de mais 14 companheiros.

1938/12/23: Já separado de seus colegas, chega á Missão de Omupanada, no Cuanhama, ao Sul de Angola. Aqui vive, trabalha, completamente entregue ao seu apostolado. Nesta missão ajuda a fundar escolas rurais e hospital.

- A Missão quando chega tem apenas 300 almas, e mercê da sua prodigiosa actividade, a breve trecho aquele número sobe para 14.000.

- As suas caminhadas por aquelas paragens estão cheias de intervenções milagrosas. São muitos os casos impregnados de santidade. Há relatos de casos concretos. Os pretos adoram-no como seja um santo.

1940/01/16: A Missão é dedicada a Nossa Senhora da Paz, devido á 2ª Guerra Mundial que começara há 4 meses..

1940/06/22: Funda outra missão a 80 km da Omupanada, na tribo dos Ovambádia.

- Permanece no meio desta tribo sozinho durante muito tempo, só depois recebe um companheiro holandês.

- Aqui permanece durante 5 anos. Constrói escolas, e uma capela, visita regularmente as aldeias, cuida dos doentes, forma catequistas. Está a cerca de 50 km do país vizinho, a África do Sul.

- Também aqui se contam, muitos casos da sua acção evangelizadora, verdadeiramente milagrosa.

1945/10: Parte para o Seminário da Caala, para substituir um professor.

1946/07/06: Torna-se director do Seminário Maior e o Seminário Menor. Tem entre 150 a 200 seminaristas, desde o 1º ano de preparatórios até aos últimos anos da carreira sacerdotal. A formação do Clero Indígena é a preocupação primordial da Santa Sé, porque entende ser a base indispensável duma Igreja estável. É a maior de todas as da Congregação em África. E, a Congregação do Espírito Santo é a que mais missionários e obras missionárias têm em toda a África Negra, desde a Nigéria e Cabo Verde. Alfobre do território de 4 dioceses, situa-se a 50 km da cidade de Nova Lisboa.

1953/11/03: Toma parte num Congresso Internacional de Missionários em Paris.

- Depois de reconhecer nas suas peregrinações por África que o número de missionários é pavorosamente insuficiente e diminuto para as grandes tarefas de evangelização.

- Resolve fundar uma província da sua Congregação em Espanha, após 15 anos de intensa actividade missionária no sertão africano.

- Apresenta-se aos seus confrades de Madrid.

- Percorre as terras espanholas a despertar vocações e angariar fundos.

- A pé, de bicicleta, vai de comboio de terra em terra. Dirige-se em todas as direcções, desde a Galiza à Catalunha e Andaluzia, desde Córdoba e Sevilha a Burgos e Santander. Angaria vocações de jovens adiantados nos estudos para as missões africanas.

1955/10/11: Mas, a providência aponta-lhe outro caminho. O Bispo de Palência, D. José do Souto Vizoso, oferece aos missionários da Congregação do Espírito Santo, uma casa para ali estabelecerem um seminário menor.

- Colocada a questão aos Superiores Maiores da Congregação, a oferta é aceite. E assim abre o primeiro seminário da Congregação do Espírito Santo em Espanha, na laboriosa vila de Paredes de Nava.

- O Padre José Maria é quem mais vive o júbilo desta inauguração.

- Vêm padres de Portugal, admitem-se as primeiras vocações. O Padre José Maria deambula da casa Central de Madrid e o seu seminário. A obra funciona francamente bem.

- No segundo ano, ingressam ali rapazinhos de terras afastadas, entre eles, um grupo de andaluzes. Os padres de Paredes de Nava, pedem ao padre Felgueiras que lhes dê uma ajuda, no movimento de recepção aos pequenos e ás famílias. O Padre Felgueiras vai.

 - Mas se na terra espanhola vê os seus esforços coroados com a grandiosa obra do primeiro Seminário das Missões do Espírito Santo, também é nela que alcança, a glória do martírio.

- Parece que Deus exige-lhe um sacrifício total, a perda da própria vida, no meio de atrozes sofrimentos, para ainda mais alto erguer a figura prodigiosa. Faz dele um mártir da caridade.

- Passa a fazer da sua vida, uma oferta total em prol dos seus semelhantes.