18 agosto 2022 \ Caldas das Taipas
tempo
18 ºC
pesquisa

Censos 2021: a norte, Caldelas é onde a população idosa mais sobe

Tiago Dias
Sociedade \ terça-feira, dezembro 28, 2021
© Direitos reservados
Na vila termal, os habitantes com mais de 65 anos aumentaram quase 80% em 10 anos, a maior taxa nas 12 freguesias e uniões cobertas pelo Reflexo. São Lourenço e Balazar tem o maior rácio de crianças.

Caldelas apresentou o maior crescimento demográfico entre as 48 freguesias e uniões do concelho de Guimarães – tem 6.304 habitantes em 2021, após uma subida de 10,2% face a 2011 – e parte dessa subida deveu-se à população acima dos 65 anos, segundo apurou o Reflexo a partir dos dados do Censos 2021.

Na vila termal, há 1.125 pessoas acima dos 65 anos: é o resultado de um aumento de 79,4% face a 2011, quando havia 627 habitantes nessa faixa. Foi, aliás, a terceira maior subida de todo o concelho, atrás da de Nespereira (84%) e da União de Freguesias de Candoso São Tiago e Mascotelos (80,4%).

As duas freguesias a norte do território vimaranense que acompanham essa tendência mais de perto têm igualmente o estatuto de vila: em Brito, a população mais velha aumentou 62,9%, de 498 para 811 habitantes, enquanto a subida de Ponte foi de 59,7%, fixando-se nas 1.073 pessoas.

As freguesias que, contudo, têm mais pessoas com 65 anos face à sua população total são outras: a União de Freguesias de Sande Vila Nova e Sande São Clemente é a mais envelhecida, com 22,8% dos habitantes nessa faixa etária, Sande São Martinho a segunda (22,1%) e a União de Briteiros São Salvador e Santa Leocádia a terceira (20,4%).

 

 

Santa Eufémia de Prazins afirma-se quanto à população adulta

A freguesia com a menor proporção de idosos face ao seu total está na margem esquerda do Ave: é Santa Eufémia de Prazins, também a menos populosa das 12 freguesias e uniões cobertas do Reflexo – dos 1.267 habitantes, 176 têm mais de 65 anos (13,9% do total).

Esse cenário contrasta com o da população adulta (25 a 64 anos) e o da população jovem (15 a 24 anos), em que Santa Eufémia de Prazins apresenta as maiores percentagens do norte de Guimarães. Naquela freguesia, 59,2% da população é adulta, taxa que supera as de Caldelas (57,7%) e as de Ponte (57,6%). Já a União de Freguesias de Briteiros Santa Leocádia e Briteiros São Salvador apresenta a menor proporção de adultos (54,3% dos seus 1.687 habitantes).

Ao mesmo tempo, Santa Eufémia foi a freguesia onde essa franja da população mais cresceu (8,1%), seguindo-se Caldelas (5,8%) e a União de Freguesias de Sande São Lourenço e Balazar (0,3%).

 

 

Já a população jovem de Santa Eufémia perfaz 13,1% do seu total, tal como em Briteiros Santa Leocádia e São Salvador. Caldelas é a freguesia que apresenta o terceiro maior rácio (13,0%), enquanto o menor cabe à União de Freguesias de Sande Vila Nova e Sande São Clemente (10,8%).

Note-se, porém, que a população nessa faixa etária diminuiu nas 12 freguesias, com Caldelas a registar a menor descida (1,9%), seguida por Brito (3,1%) e por Ponte (4,9%).

 

 

Em Sande São Lourenço e Balazar, as crianças ficam para dar os primeiros passos

Também a população dos 0 aos 14 anos decaiu nas 12 freguesias, mas claramente menos na União de Freguesias de Sande São Lourenço e Balazar. Em 2011, havia 246 crianças nesse território. Hoje há 243. A redução de 1,2% foi claramente inferior às restantes; a segunda mais baixa, de Caldelas, foi de 10%. Essa união de freguesias tem um rácio de 15,3% face à população total, o mais elevado deste conjunto.

Na outra ponta do espectro, houve três autarquias que perderam mais de 35% das crianças em 10 anos: Brito perdeu 36% (915 para 586 pessoas), Sande São Martinho 37,1% e a União de Freguesias de Briteiros São Salvador e Santa Leocádia 38,9%.