17 julho 2024 \ Caldas das Taipas
tempo
18 ºC
pesquisa

Está na hora de exercitar o seu cérebro

Catarina Gomes
Sociedade \ sexta-feira, setembro 15, 2023
© Direitos reservados
“Vivemos da memória, que é a imaginação do que morreu”, dizia Fernando Pessoa. E quando ela nos falha, o que fica, então?

Assumo que o leitor está neste momento em reflexão profunda tentando recordar a última vez que se esqueceu de alguma coisa, de um dos elementos da lista de compras do supermercado, do aniversário do pai, onde guardou aqueles sapatos… Enfim, aceitamos alguns esquecimentos “inocentes” como parte do nosso dia a dia. Claro está que quando estes “esquecimentos” adquirem um carácter frequente de tal modo que limitem as nossas rotinas e a capacidade de fazer as nossas coisas, autonomamente, então, talvez, seja o momento de procurar o seu médico.

Em todo o caso, o meu objetivo, hoje, é falar da prevenção.

Assim, deixo a pergunta se tem exercitado a sua massa cinzenta? A sugestão parece, à primeira vista, descabida. Desenganem-se! Da mesma maneira que é tido como normal ir ao ginásio para tonificar o corpo e ganhar mobilidade, é, também, importante estimular o seu cérebro. Infelizmente, em Portugal não são frequentes os ginásios para tal exercício mental, ao contrário do que já acontece noutros países.

Hoje, a minha recomendação vai no sentido de apontar que, para além de uma alimentação saudável, alicerce essencial para tudo no nosso corpo, há que praticar, também, atividades que estimulem o nosso intelecto.

Algumas destas atividades, que aconselho, provavelmente, já as faz, como sejam, ler ou fazer o sudoku. Pretende-se, no entanto, que vá mais além. Existem aplicações gratuitas para o telemóvel que pode descarregar e com elas exercitar o seu cérebro, nas horas mortas. Falo por exemplo da Lumosity® ou do Cerebroagil®.  

Além disso, aprender a tocar um instrumento ou a falar outro idioma, por exemplo, são outras formas de estimular os nossos neurónios. E a idade não é desculpa.

Outra sugestão que deixo aqui é a mudança de rotinas. Mude o trajeto que habitualmente toma para o trabalho. Não se recorda do nome daquele apresentador da televisão? Pense nisso por mais tempo, em vez de correr para o seu smartphone.

Esse tipo de raciocínio pode não parecer muito, mas permite que o cérebro use toda a sua plasticidade para resolver um problema simples.

Em conclusão, exercitar corpo e mente é o segredo para uma memória mais longínqua.