23 maio 2024 \ Caldas das Taipas
tempo
18 ºC
pesquisa

Em curso plano de pormenor com vista à ligação entre parques industriais

Redação
Sociedade \ sábado, maio 11, 2024
© Direitos reservados
Procedimento da Quinta do Miogo, em Ponte, está em curso, numa fase em que a unidade operativa de planeamento para aquela área contempla ligação entre os parques industriais das duas margens do Ave.

A expansão da atividade empresarial do parque industrial de Ponte e a sua ligação mais estreita com o parque industrial de Vila Nova de Sande são dois dos efeitos previstos na elaboração do plano de pormenor da Quinta do Miogo, freguesia de Ponte, já em curso depois de aprovada a abertura de procedimento, em 15 de fevereiro, numa reunião da Câmara Municipal de Guimarães.

Consultados pelo Reflexo, os termos de referência para esse terreno de 90.750 metros quadrados, fronteiro com os pavilhões já existentes a sul, enquadram‐se, por um lado, no compromisso da Câmara Municipal de Guimarães com o objetivo de ampliação da unidade industrial que confina com essa quinta; trata‐se da empresa de embalagens José Neves, que espera, em 2028, gerar um volume de negócios de 37,8 milhões de euros e manter os 140 postos de trabalho que hoje sustenta.

Por outro lado, o plano visa acompanhar “a intenção de executar um troço autónomo de uma infraestrutura viária estruturante”, a unir o parque industrial de Vila Nova de Sande, o de Ponte e a estrada entre Fermentões e Silvares. Segundo um anexo do documento, a via será contígua aos lotes projetados para o parque industrial de Ponte, a sul dos atuais, no âmbito da Unidade Operativa de Planeamento e Gestão (UOPG), e segue para Vila Nova de Sande pela zona de Pouve, com travessia sobre o Ave nas imediações do campo de jogos do CD Ponte.

O plano de pormenor tem um prazo de execução de um ano, com a hipótese de ser prorrogado por uma única vez, por mais um ano, e resulta da proposta de contrato de planeamento apresentada à Câmara pela empresa José Neves, com vista à reclassificação daquele terreno, de rústico para urbano. Essa proposta foi aprovada em 12 de outubro de 2023, depois de um período de discussão pública. O relatório da discussão pública, de outubro de 2023, salienta que a não inclusão do Miogo na UOPG visa “agilizar o procedimento”, “descomplicando-o”, já que, assim, a execução do plano de pormenor envolve menos proprietários.