29 novembro 2021 \ Caldas das Taipas
tempo
18 ºC
pesquisa

Cor, cravos, Liberdade: o mural que celebra Abril cresceu e está concluído

Pedro C. Esteves
Cultura \ quinta-feira, junho 17, 2021
© Direitos reservados
Há mais cor a saudar quem entra na vila de Caldas das Taipas. Ação do Núcleo de Estudos do 25 de Abril deu "vida" a uma parede desbotada e, no processo, celebra a Liberdade.

Por estes dias, quem entrar na vila das Taipas vindo de Ponte vai ser saudado com mais cor. É que os alunos do Agrupamento de Escolas de Briteiros ampliaram o mural que comemora Abril e a Liberdade. Agora, para além dos soldados com os cravos mergulhados nas espingardas, estão a nascer vários cravos que "brotam" do passeio para dar vida a uma parede desbotada. 

Trata-se de uma das ações programadas pelo Núcleo de Estudos 25 de Abril (NE 25A) para as comemorações do dia em que Portugal saiu de uma "noite" longa, que só terminou ao fim de mais de 40 anos com a Revolução dos Cravos. O trabalho dos alunos está a ser complementado com professores, que auxiliam na pintura do muro.

"Mais uma atividade proposta e concluída. Os nossos soldados estão agora acompanhados pelos respetivos cravos. O NE25A, alunos do AE de Briteiros, jovens e cidadãos taipenses, quiseram e obra fez-se. O novo mural da liberdade está concluído. a todos obrigado pelo apoio e pela colaboração", indica, através de uma nota informativa, o núcleo de estudos.

O presidente da Junta de Freguesia de Caldelas, Luís Soares, deixou uma mensagem de apreço à juventude que, de pincel em riste, vão perpetuando "a memória coletiva". "Pelas mãos da juventude a celebração da Revolução de Abril continua em Junho com o Núcleo de Estudos 25 de Abril", refere o autarca numa breve nota na rede social Facebook.

Livro a caminho

O NE 25A teve que reformular o programa de comemorações de Abril. A pandemia "atirou" o regresso dos alunos à escola para o início de abril e, como tal, a organização entendeu que "um projeto das escolas, desenvolvido nas, para e com as escolas" só podia ser posto em prática em maio (e junho).

Apesar de o mural ser a última atividade programada, ainda está pendente o lançamento do livro "Não deitamos a toalha ao chão”, que conta "com artigos de vários autores que refletiram sobre a liberdade e a democracia no contexto atual".