13 julho 2024 \ Caldas das Taipas
tempo
18 ºC
pesquisa

Taipas já ultrapassou os cinco mil eleitores

Redação
Freguesias \ segunda-feira, outubro 01, 2007
© Direitos reservados
A terceira sessão ordinária da Assembleia de Fregueisa de Caldelas decorreu sem grandes sobressaltos. A unanimidade nas votações foi a tónica dominante.

À terceira, as coisas lá correram de uma forma aceitável. Ali e acolá com algumas picardias provincianas mas, no cômputo geral, os membros da Junta e José Luis Oliveira, pelo lado do principal partido da oposição, conseguiram dar dignidade ao acto.
Desde a criação do concelho, aos projectos ou promessas eleitorais, AvePark e, até, de buracos e lixo, de tudo um pouco se falou. Esta assembleia não se esqueceu, mesmo o público no seu tempo de antena, de prestar homenagem a Manuel Marques da Silva, falecido há pouco tempo, pela sua dedicação e frontalidade enquanto cidadão e membro na Assembleia de Freguesia.
Foi também anunciado que a vila já tem mais de 5 mil eleitores inscritos.

Todos os pontos sujeitos a votação foram aprovados por unanimidade. A reivindicação de Taipas a concelho feita por Constantino Veiga na imprensa mereceu especial atenção, sobretudo na pretensão da oposição, em ouvir de viva voz a opinião dos vogais da Junta. E estes acabaram por falar, com muitos ses, receios e sem nunca afirmarem objectivamente: concelho sim ou não.
O mesmo aconteceu com José Luis Oliveira, do Partido Socialista. O presidente da Junta, Constantino Veiga, disse que houve uma extrapolação da suas palavras pela comunicação social, mas não se refutou a dizer que, a continuar a total falta de investimento nas Taipas por parte da Câmara Municipal de Guimarães, a criação do concelho será um problema que naturalmente se colocará pelo descontentamento em crescendo dos Taipenses.

Cândido Capela Dias foi portador de algumas preocupações de Taipenses, destacando em particular o problema da falta de iluminação no recinto da feira. A Junta refutou qualquer responsabilidade, endossando para a CMG o ónus dessa questão, já que, na opinião do executivo, é a Câmara que não quer assumir a despesa do consumo da energia eléctrica, situação que a Junta considera reprovável face ao custo em questão e agravado pelo facto de se tratar de uma obra da responsabilidade da Câmara.

José Henrique Cunha

Desenvolvimentos deste e de outros temas na edição do Jornal Reflexo, nas bancas esta semana.