26 maio 2024 \ Caldas das Taipas
tempo
18 ºC
pesquisa

Taipas abriu as portas à recolha de lixo orgânico: “Precisamos de todos”

Bruno José Ferreira
Sociedade \ sábado, fevereiro 04, 2023
© Direitos reservados
Junta sabe que “vamos ter problemas” com a mudança, mas conta com todos para que a vila se destaque: “Gostávamos de ser a freguesia com mais orgânicos recolhidos”.

A freguesia de Caldelas abriu as portas à recolha de lixo orgânico, num novo paradigma de recolha seletiva que se pretende que seja uma “revolução”. Em Guimarães produzem-se 55 mil toneladas de resíduos por ano, sendo que numa análise ao saco de lixo percebe-se que 40% dessas 55 mil toneladas é de lixo orgânico.

É nessa vertente que o município pretende intervir, e a partir de segunda-feira começará a ser feita a recolha de resíduos orgânicos (restos de comida, cascas de ovo, fruta, pão, café, laticínios, entre outros), em nove freguesias do concelho. O processo inicia-se em em nove freguesias – abrange cerca de 55 mil pessoas – e Caldelas é uma delas; este sábado foi apresentado o projeto na sala multiusos do Antigo Mercado.

“Sabemos que vamos ter problemas com isto, há sempre resistência à mudança, mas o caminho é este e não há volta a dar”, referiu o presidente da Junta de Freguesia de Caldelas, Luís Soares, mostrando-se ambicioso: Gostávamos que no final deste ano fossemos a freguesia com mais orgânico recolhido”, sustentou, frisando que esta deve a ser a postura de todos, com a responsabilidade de sermos “bons cidadãos”.

“Temos de tentar chegar a todos, porque precisamos de todos”

A intervenção do presidenta da junta seguiu-se à apresentação de Dalila Sepúlveda, Chefe da Divisão de Serviços Urbanos da Câmara Municipal de Guimarães, que disse que este é um projeto de “todos”. “Vamos tentar a chegar a todos, porque precisamos de todos”, disse, explicando que os resíduos recolhidos servirão depois para produzir um composto orgânico que será aproveitado, por exemplo, em jardins públicos.

“No início as pessoas não queriam os ecopontos, e a seleção de lixo”, recordou, dizendo que em Guimarães a revolução começou há 25 anos, com o fim da lixeira de Gonça, seguindo-se vários passos no sentido trabalhar na sustentabilidade ambiental.

Esta recolha de resíduos orgânicos nas Taipas já se iniciou desde novembro, nas escolas e restaurantes, a intenção do município passa por, por exemplo, sinalizar os restaurantes que se destaquem nesta prática, colocando “corações verdes”, pequenos selos, na entrada.

"Queremos estar em todas as escolas do concelho"

O Laboratório da Paisagem é, a par do município e das freguesias, mais uma entidade evolvida nesta “revolução” operacionalizada em rede, sendo que o diretor executivo Carlos Ribeiro reforçou a ideia de que o sucesso desta operação depende de todos.

“Será algo difícil de implementar, por isso queremos estar em todas as escolas do concelho”, disse, acrescentando que “os mais novos são muito importantes, até pelo contágio dos pais”. De resto, Carlos Ribeiro lembrou que “Guimarães é uma cidade que tem sido reconhecida, a nível nacional e internacional, pela sua gestão de resíduos”.

Nas Taipas a recolha de lixo orgânico por a porta será feita às segundas e sextas-feiras, sendo que pela vila são já visíveis vários contentores. Na junta de freguesia estão já disponíveis contentores para ter em casa e fazer a separação. Basta fazer o levantamento, com uma fatura da Vimágua, e começar a separação.