01 outubro 2022 \ Caldas das Taipas
tempo
18 ºC
pesquisa

Ponte foi terceiro, vê mais “qualidade no plantel” e quer fazer melhor

Tiago Dias
Desporto \ segunda-feira, julho 11, 2022
© Direitos reservados
Técnico revela que não lhe foi pedida a subida, prometendo encara cada jogo “como se de uma final se tratasse”. Com o plantel ainda longe da sua versão final, alerta que “é preciso formar um grupo”.


O timoneiro da equipa que conduziu o CD Ponte ao pódio da Série B na edição de 2021/22, Zé Faria dispõe de contratações sonantes como o defesa central Paulo Monteiro, que representava o Fafe, da Liga 3, após passagens na Primeira Liga, por União da Madeira e Feirense, e o extremo Costinha, que também competiu na Liga 3 em 2021/22, pelo Pevidém. Rafa (ex-Pica), André Alves (ex-CC Taipas), João Abreu (ex-Torcatense), Edu e Dinis (ex-Arões), bem como Jussane (ex-Serzedelo) completam o leque de caras novas.

A “qualidade” abunda nos reforços, mas o rendimento vai depender sempre da “dinâmica” criada, avisa Zé Faria. “Veio qualidade, mas são corpos estranhos que estão a entrar cá. Temos de criar essa dinâmica, de nos relacionarmos todos, de trabalharmos todos para o mesmo”, vincou.

Se a integração for plena, o treinador crê que é até possível o CD Ponte sagrar-se campeão da Pró-Nacional, apesar do primeiro objetivo ser o de melhorar. “Seríamos considerados tolinhos pelos nossos adversários se não nos propuséssemos a algo melhor”, salientou. “Algo melhor passa, numa primeira fase, por se melhorar o terceiro lugar que fizemos na nossa série. Só o primeiro e o segundo darão garantias de estar no lugar de sonho”.

Certo de que um plantel quase fechado cria “muita expetativa” nos adversários quanto ao CD Ponte, Zé Faria avisou que, em duas ou três semanas, podem ser outros clubes “a criar expetativa”, tendo em conta a forma como se vão reforçar. De uma coisa o treinador está convencido: vai ser “uma época extremamente difícil”, até pela concorrência do Berço, despromovido do Campeonato de Portugal, e pela eventual permanência do Brito.

“Foi o vencedor da Taça e o segundo classificado. É uma equipa competente. Não sabemos se vai ficar com este bloco nesta divisão. Se ficar com o bloco da época transata, será uma equipa extremamente difícil, que irá lutar pelo mesmo objetivo”, avisa.

 


“A quebrar a regra” de só jogar nas primeiras três divisões, “teria de ser aqui”

Um dos rostos que transita da época passada, o capitão Martins também alinha pelo discurso da melhoria face a 2021/22 e pede mais apoio aos habitantes de Ponte. “Se no ano passado foi o terceiro lugar, neste ano só pensamos acima”, realça. “Temos de apelar à união de todos, à gente de Ponte para vir mais ao campo. Temos de começar a trabalhar focados. Neste ano, estamos mais fortes. No plantel existe muita qualidade”.

Quanto ao elenco de reforços, Paulo Monteiro sobressai pelas experiências na divisão maior do futebol português e reconhece que não se imaginava a jogar a Pró-Nacional no início da temporada transata, em que representou o Fafe. A mudar de ideias, porém, tinha de ser para representar o CD Ponte.

“Não sou natural de Ponte, mas é um clube que acompanho há já alguns anos. Tenho aqui alguns amigos que são quase família. Inevitavelmente era um clube que me dizia muito (…). “Há um ano diria que só iria jogar nas primeiras três divisões principais, porque nunca tinha jogado neste CNS. A quebrar essa regra, indiscutivelmente teria de ser aqui”, adiantou.

Elogioso para com “a maneira” como os dirigentes lidam com o clube e com as condições que dão aos atletas, o defesa central de 37 anos quer rubricar um ano “bonito” no seio de um “bom grupo”. “Se o clube tem crescido tanto, só podemos querer fazer melhor do que no ano passado”, projeta.

“A sucessão foi muito simples” – Pedro Ferreira, presidente do CD Ponte

 


“Encaro de forma muito serena, muito tranquila. A sucessão foi feita de forma muito simples. Não entrei neste ano. Já estava cá, já fazia parte do Clube Desportivo de Ponte nas anteriores direções do Filipe Oliveira. O Filipe foi um fator fundamental para a minha candidatura à presidência do Clube Desportivo de Ponte. Por isso, está tudo a correr muito bem"

 


“A subida é possível, mas depende da dinâmica”  - Zé Faria, treinador do CD Ponte

 


“A subida é sempre possível, mas depende da dinâmica que se pode criar aqui. Veio qualidade, mas são corpos estranhos que estão a entrar cá. Temos de criar essa dinâmica, de nos relacionarmos todos, de trabalharmos todos para o mesmo”

 


“Temos mantido um processo” – Martins, capitão do CD Ponte

 


“Desde que o mister Zé Faria entrou, temos mantido um processo. É mais fácil um treinador manter-se várias épocas para chegarmos ao pensamento dele e às ideias dele. O plantel é o mesmo de todos os anos. Somos uma verdadeira família. Isso mostra-se dentro de campo”

 


“Era inevitável passar por este clube – Paulo Monteiro, reforço do CD Ponte

 


“Não sou natural de Ponte, mas é um clube que acompanho há já alguns anos. Tenho aqui alguns amigos que são quase família. Inevitavelmente era um clube que me dizia muito. Era inevitável passar por este clube que tem crescido muito. Toda a gente fala do Ponte de uma forma que há uns anos ninguém imaginava”

 


PLANTEL DO CD PONTE

Guarda-redes: João Nuno e Rafa (ex-Pica);

Defesas: Tiago Vieira, Rafa Lopes, Faria, Martins, André Alves (ex-CC Taipas), João Abreu (ex-Torcatense), Paulo Monteiro (ex-Fafe) e Basílio;

Médios: Edu (ex-Arões), Freitas, Nando, Nelsinho, Nené (equipa B), Lemos (equipa B) e Xixa (equipa B);

Avançados: Mirra, Pedro Alex, Dinis (ex-Arões), Mota, David, Costinha (ex-Pevidém), Jussane (ex-Serzedelo) e Tiaguinho (equipa B)