28 novembro 2022 \ Caldas das Taipas
tempo
18 ºC
pesquisa

Obras em andamento. Santo Estêvão conta inaugurar o sintético em agosto

Carolina Pereira
Freguesias \ sexta-feira, maio 06, 2022
© Direitos reservados
O presidente do GD Santo Estêvão acredita que a obra no Campo da Fraga “é importante para a dinâmica” das freguesias vizinhas. Conta que esteja pronto em agosto.

O Grupo Desportivo de Santo Estêvão está cada vez mais perto de obter a requalificação do seu terreno. Desde o primeiro semestre de 2021 que o clube tem obras a decorrer em casa, um projeto que se proporcionou na sequência do apoio no valor de 37.500 euros inscrito no contrato-programa municipal para o desporto referente à época 2021/22.

Depois de quase um ano de obras, e segundo o presidente do G.D.Santo Estêvão, a estrutura da bancada lateral está muito perto de ficar concluída e “o relvado está previsto para começar brevemente, no início de abril. A previsão para ficar tudo pronto é em agosto, a inauguração será no dia 13 de agosto”, confirma Francisco Mendes.

Apesar do subsídio municipal ter sido entregue com o propósito do relvado, o clube precisou de investir numa bancada lateral. “Quando tomamos conta daquilo, a nossa grande preocupação foi por aquilo a funcionar, porque vivemos num meio onde não há estrutura semelhante ao que estamos a fazer para dar seguimento às camadas jovens. Não estamos a fazer aquela bancada para ter mais gente a ver, já tínhamos a suficiente, é porque os pais estarem simplesmente naquela grade não tinha lógica”, justifica o presidente do clube.

Para Francisco Mendes, esta mudança vai capacitar não só o clube, como a formação desportiva das freguesias em volta. “Para a freguesia e para os presidentes que lá estiveram, isto é algo muito bom, no meu ver não é uma obra só para Santo Estêvão, é também para as freguesias vizinhas. Se fosse só para esta freguesia, não teria grande seguimento porque precisamos de mais miúdos. Mas acaba por ser muito importante para a dinâmica da freguesia e formação dos miúdos”.

[nota: artigo originalmente publicado na edição de abril do Jornal Reflexo.]