01 outubro 2022 \ Caldas das Taipas
tempo
18 ºC
pesquisa

Esta associação nasceu nas Taipas para dar valor “ao setor termal, à vila e ao município”

Redação
Sociedade \ quinta-feira, março 18, 2021
© Direitos reservados
Uma "filha da terra" criou a Associação de Balneoterapeutas e Terapeutas de SPA. Valorizar Caldelas e "fazer da vila um polo de atração para o turismo" é um dos vários objetivos gizados pela entidade.

Nasceu em Caldas das Taipas uma associação “pioneira” que quer ser “uma mais valia para o setor termal, para a vila e para o município”. Assim, foi registada em cartório neste mês de março a Associação de Balneoterapeutas e Terapeutas de SPA para, entre outras razões, dar apoio a quem trabalha na área. A dirigente da recém-criada entidade, Vânia Silva, "uma filha da terra", refere que outra das lutas é dignificar e “dar reconhecimento” a quem se dedica a este ofício.

“Sinto-me muito honrada pelo facto de a ideia [para a criação da associação] ter saído daqui, pelas gentes das Taipas. Estamos aqui para todos os balneoterapeutas, é uma associação pioneira que apoia as pessoas que trabalham dentro de um balneário”, indica Vânia Silva. Com mais de duas décadas de trabalho na área do termalismo, a taipense refere ao Reflexo que a ideia já marinava há algum tempo, mas, “nesta época de pandemia, veio tomar outro tipo de proporção”.

Depois do encerramento das estâncias termais, a dirigente queixa-se de que o setor foi “esquecido”: “Nós estamos fechados por decreto e somos prestadores de serviços de saúde, nem sequer devíamos ter fechado. Fomos completamente esquecidos, não há plano de desconfinamento para as termas, não existe”. A fisioterapeuta alerta para outro fator: a possibilidade de nos institutos de beleza ser autorizada a realização de massagens, mas o mesmo não se aplicar à realização de "massagens terapêuticas".

Levar a vila mais longe

A associação nasce também pela necessidade de conhecimento científico na área, em Portugal e no mundo. No entender da dirigente, “a qualidade prestada pelo serviço de termalismo, de SPA, tem muito a ver com os técnicos que lá trabalham”, e, por isso, Vânia e colegas ligado ao setor entenderam ser hora “de fazer alguma coisa”. E isso significa também olhar para as possibilidades por explorar para “desenvolver o turismo de saúde em Portugal” – e aqui Caldelas pode beneficiar: “Nas Taipas temos um potencial muito maior. Nós temos uma água que nos distingue de qualquer outra freguesia, de outra terra, temos que aproveitar. Fazer da vila um polo de atração para o turismo”.

Dessa forma, “para desenvolver a vila enquanto vila termal”, um dos projetos em mente passa por fazer na freguesia o primeiro congresso de balneoterapeutas. Para nós, não faz sentido ser feito noutro sitio qualquer”, acrescenta.