19 janeiro 2022 \ Caldas das Taipas
tempo
18 ºC
pesquisa

Descoberta gravura de arma, "um elemento inédito", na Citânia de Briteiros

Redação
Cultura \ terça-feira, dezembro 07, 2021
© Direitos reservados
A gravura agora identificada foi já registada, estudando-se a melhor forma de proteção da superfície gravada.
A Sociedade Martins Sarmento anunciou que foi identificada, no passado mês de setembro, um motivo decorativo no interior da construção conhecida como "Casa do Conselho", na Citânia de Briteiros (Guimarães). "Num dos blocos de granito que formam o banco corrido ao longo da parede interior desta grande casa circular, foi identificada uma gravura que representa uma falcata, ou espada curva, característica da Idade do Ferro", informa a sociedade.
A gravura em questão passou despercebida ao longo dos anos, "por ser praticamente invisível a olho nu", sendo apenas possível observar, nos dias de hoje, com recurso a iluminação artificial. "Após a identificação da gravura, foi efetuado, no mês passado, um decalque da superfície gravada, registando assim o motivo decorativo e permitindo uma leitura mais clara", explica a Sociedade Martins Sarmento.
No mesmo comunicado é adiantado que esta gravura de falcata "podia ser meramente decorativa ou ter um significado claro para os frequentadores do espaço": "Certo parece ser que a figuração de armas e guerreiros, particularmente na estatuária, se inseria na simbologia do poder dos chefes locais".
"A descoberta deste elemento inédito revela, mais uma vez, como a Citânia de Briteiros continua a propiciar conhecimento histórico relevante. A gravura agora identificada foi já registada, estudando-se a melhor forma de proteção da superfície gravada", lê-se.
As falcatas recolhidas nos castros do Noroeste são mais conhecidas como "punhais afalcatados", no que parece ser uma variante local desta arma, mais curta que a falcata ibérica comum. São conhecidos exemplares de punhais afalcatados recolhidos nos castros de Baiza (Gaia), Cruito (Baião), Sanfins (Paços de Ferreira), Falperra (Braga), São Julião (Vila Verde), Santa Tecla (Pontevedra, Galiza) e Saceda (Ourense, Galiza). Existe, também, um exemplar de uma falcata ibérica típica recolhida no Castro de Frades (Montalegre).