29 novembro 2021 \ Caldas das Taipas
tempo
18 ºC
pesquisa

Coligação acusa a Turitermas e a Câmara Municipal de Guimarães de fraude

Redação
Sociedade \ quinta-feira, março 18, 2021
© Direitos reservados
Em causa o contrato-programa entre a Câmara Municipal de Guimarães e a Cooperativa Municipal Taipas Turitermas. Coligação Juntos por Guimarães da Freguesia de Caldelas denuncia o uso de dinheiro público para “remunerar os Boys e familiares do PS”.

A Coligação Juntos Por Guimarães na Freguesia de Caldelas emitiu esta quinta-feira um comunicado em que denuncia aquilo que considera ser uma fraude que tem como protagonistas a Taipas Turitermas e a Câmara Municipal de Guimarães.

No entender desta coligação partidária os 400 mil euros que a Turitermas recebe anualmente ao abrigo do contrato-programa com o município não estão a ser aplicados no fim a que se destinam, criação de preços sociais, algo que será do conhecimento das várias entidades envolvidas.

“A Coligação Juntos Por Guimarães solicitou, via Assembleia de Freguesia e Junta de Freguesia de Caldelas, a informação sobre a existência de preços sociais praticados na Turitermas. A Turitermas veio informar que os preços sociais não existem; que existe um só preçário para toda a gente. Os € 400.000,00 por ano não estão ser usados para as finalidades do contrato/programa uma vez que as pessoas com insuficiência económica não beneficiam de qualquer desconto no preço afixado ao público”, refere a Coligação em comunicação.

Face à inexistência dos preços sociais que justificam o contrato programa entre a Turitermas e câmara, algo que a Coligação alega ser do conhecimento do município, o comunicado refere que as verbas do contrato-programa são “uma forma ostensiva de distribuir empregos pelos militantes e simpatizantes do Partido Socialista”.

“A Câmara Municipal de Guimarães, gerindo a Turitermas sabe disso e participa numa fraude à Lei que impede os Municípios de subsidiarem as empresas públicas locais. Assim, o “NOSSO” dinheiro é usado para empregar e remunerar os “Boys” e familiares daqueles do Partido Socialista”, pode ler-se.