02 dezembro 2021 \ Caldas das Taipas
tempo
18 ºC
pesquisa

A plenos pulmões, Constantino diz à Lameira: “Não são taipenses de segunda”

Carolina Pereira
Política \ domingo, setembro 19, 2021
© Direitos reservados
Cansado de 32 anos de partido socialista em Guimarães, Constantino Veiga, acredita que “chegou a altura de dizer não a tão fraco investimento” em Caldas das Taipas.

Em plena Lameira, com mensagem clara, Constantino Veiga organizou nesta tarde de domingo, a Festa Convívio em torno da sua campanha autárquica pela Coligação Juntos por Guimarães à Junta de Freguesia de Caldelas.

Como que num grito do Ipiranga pela Lameira, o candidato começa por salientar a importância histórica desta localidade da Vila das Taipas, assumindo a zona como “um sitio emblemático onde a maior parte das vezes aprendemos a ser taipenses” e apresentando as suas palavras de solidariedade por esta ter sido “ignorada”.

“A Lameira não pode ser discriminada por uma política elaborada pelo senhor presidente da Junta que nem um ai diz às pessoas desta localidade. Não aceitamos que os taipenses sejam considerados de segunda”, atira Constantino Veiga.

O candidato pelo Juntos por Guimarães ainda teceu críticas à gestão socialista vinda de Santa Clara. “Não merecemos ser ignorados durante tantos anos. Somos um povo paciente e que aceita tudo o que eles oferecem, mas chegou a altura de dizer não a tão fraco investimento na nossa Vila que envia mais de quatro milhões de euros para Guimarães. Imaginem o que seria quatro milhões de euros na nossa terra. Dá azo para dizer que Guimarães nem bom tempo, nem bom investimento”, reiterou.

O antigo presidente da Junta de Caldelas não deixou de parte a saída de Ricardo Costa da Vereação do Município criticando “a sacanagem” que o partido socialista fez ao seu ex adversário na luta pelo lugar na Junta de Freguesia em 2009.

“O Partido Socialista não serve as pessoas, usa as pessoas e isso é intolerável. O povo das taipas é sério e honesto, não é interesseiro, não se vende nem se troca por um tacho. Vamos honrar os valores de abril. Coisa que os socialistas não fazem. Não tenham medo, não tenham medo das ameaças, não tenham medo de seguir os vossos ideais”.