Uso da bicicleta em Guimarães, autarquia e oposição com visões diferentes
Uso da bicicleta em Guimarães, autarquia e oposição com visões diferentes
Alfredo Oliveira
Domingo, Outubro 7, 2018

“O que é prioritário: utilizar a bicicleta todos os dias para chegar ao emprego ou utilizá-la aos sábados e domingos percorrendo as margens do rio Ave”. Foi a questão deixada por Monteiro de Castro, no final da reunião do executivo vimaranense de 4 de outubro.

O vereador do CDS, eleito pela coligação JpG, defendeu que, em termos prioritários, Guimarães deveria apostar numa ciclovia a ligar a cidade à vila das Taipas: “É uma zona que envolve 40 mil pessoas, por onde passam diariamente 20 mil automóveis. Este é que seria o trajeto prioritário e não uma ciclovia de lazer para o fim de semana. Estudos da União Europeia afirmam que com uma ciclovia podemos ter uma redução de 7% desses 20 mil. A usar a bicicleta, seriam 1400 ciclistas diários”.

Monteiro de Castro refere que a Câmara está apostada na construção de ciclovias de fim de semana, defendendo que “o quotidiano deveria ser privilegiado e a visão do lazer deveria ser numa segunda fase”.

Domingos Bragança, “O uso da bicicleta no quotidiano não está esquecido”
O presidente da Câmara, na reunião do executivo do dia 4 de setembro, contestou a posição de Monteiro de Castro e clarificou que “estando a dar centralidade ao lazer, nas suas diversas dimensões, não está esquecido o uso da bicicleta no quotidiano, ou seja, nos percursos de casa para o trabalho”.

Domingos Bragança foi mais longe e, em relação à mobilidade, destacou os projetos previstos em relação à zona da vila de Caldas das Taipas. Referiu que, num futuro próximo, existirão três percursos de vias cicláveis que ligarão Guimarães às Taipas: a ligação Silvares – Ponte – Taipas – Donim; a via do AvePark (a iniciar em 2021) e a requalificação da EN101. Aqui, salientou que a via ciclável na nacional 101 só avançará após a finalização da ligação ao AvePark. O presidente da Câmara defende que a via do Avepark irá descongestionar essa via no trajeto até às Taipas, podendo, assim, intervir nessa estrada e proceder à sua arborização e dotá-la de um mobiliário urbano.

Ainda no âmbito das ligações intermunicipais, Domingos Bragança lembrou o trabalho que os municípios de Guimarães e Braga estão a levar a cabo no projeto de uma ecovia, que ligará o Avepark ao Sameiro e Braga, e que “contribuirá para a requalificação florestal e preservação do património dos Sacromontes, que terá em conta a valorização da natureza e a mobilidade suave”. Referiu, ainda, uma intervenção na EN105, que liga Santo Tirso a Guimarães, entre a saída Sul da A7 e o início da circular urbana e de um projeto a desenvolver com a Câmara de Famalicão, na nacional 206, com a construção de uma ciclovia que passará por Brito e Ronfe.