PUB
Túnel para o PS, viaduto para a Coligação
Túnel para o PS, viaduto para a Coligação
Quinta-feira, Junho 29, 2017

O verniz estalou há uma semana quando a Coligação Juntos por Guimarães colocou na rotunda de saída da auto-estrada um outdoor prometendo um viaduto para resolver o problema de trânsito daquele local. O PS não reagiu oficialmente mas colocou um outro outdoor dizendo que o desnivelamento de Silvares ficou acertado em março deste ano.

O vereador do Urbanismo, Amadeu Portilha, partilhou a imagem na sua página pessoal do Facebook: um outdoor que a Coligação Juntos por Guimarães colocou na rotunda de acesso à auto-estrada prometendo a construção de um viaduto em 12 meses. No dia seguinte, apesar de ser feriado, o PS colocava um outdoor dizendo: “Desnivelamento do Nó de Silvares garantido por este governo a 16 de março de 2017. Contrato assinado pelo presidente de Câmara, Domingos Bragança. Projeto em execução”.

A Coligação Juntos por Guimarães propõe um viaduto para descongestionar a rotunda de saída da auto-estrada, enquanto o PS quer construir um túnel. A reação socialista ficou-se pela colocação dos outdoors e pelas redes sociais. Amadeu Portilha, na sua publicação, sublinhou “esta forma de fazer política, enganando os vimaranenses”, dizendo que os limites são “o da decência na ação e no combate político”.

A Coligação de direita chamou a imprensa para dizer que “a criação do desnivelamento da auto-estrada está comprometida desde 23 de dezembro de 2008” e que no documento assinado entre o município de Guimarães e a Infraestruturas de Portugal, (IP) indica apenas o desenvolvimento de um estudo para o nó de Silvares. Nos documentos distribuídos, lê-se que “a IP promoverá o estudo das soluções técnicas que melhor se adequem à melhoria das condições de circulação no nó de silvares de acesso à A11”.

António Monteiro de Castro, do CDS, que também esteve na conferência de imprensa convocada para o viaduto de onde se vê a rotunda onde estão os cartazes, assinalou que “estamos numa zona em que um túnel possa conflituar com o nível freático”. “É de prever que aqui o nível freático seja muito alto pois estamos próximos da Veiga de Creixomil. Não são soluções impossíveis de resolver, mas são soluções caras. Ou seja, são riscos desnecessários”, vincou.