PUB
Treinadores
Terça-feira, Janeiro 6, 2009

Independentemente da formação de base dos treinadores, seja ela como jogador ou treinador, há cada vez mais a necessidade de obter resultados o mais rápido possível. Tenho tido a preocupação de perceber porque é que os treinadores, apesar de terem resultados positivos, são dispensados dos seus clubes. Por norma, os clubes contratam os seus treinadores pelo seu currículo. Nada mais legítimo do que escolher um treinador vencedor. O facto de um treinador ter atingido o sucesso num clube não é necessariamente obrigatório que este mesmo treinador consiga alcançar os mesmos resultados noutro clube. Existem imensas variáveis que influenciam o trabalho dos treinadores.

Cada clube tem sua própria cultura. Uns pretendem alcançar resultados, outros pretendem futebol espectáculo. Não será certamente um treinador pragmático que poderá estar à frente de um clube cuja cultura seja do “jogo bonito”.

Os treinadores jovens têm grandes dificuldades em impor-se nos clubes, a pressão dos resultados e a inexperiência pode impedi-los de desenvolver o seu trabalho. Temos vários exemplos de grandes treinadores como Arsène Wenger, Gerard Houllier, Alex Fergunson que nos seus primeiros anos, como treinadores principais, foram despedidos devido ao insucesso ou a má prestação das suas equipas. Como podemos verificar até os grandes treinadores do momento foram casos de fracasso enquanto jovens.

É cada vez mais frequente que os clubes de topo exijam às suas equipas um futebol espectáculo e resultados condizentes com as exibições, ou vice-versa. Mas bem sabemos que é cada vez mais difícil conseguir exibições fantásticas e consistentes em curto espaço de tempo. Notáveis são aqueles que mesmo contestados conseguem desenvolver o seu trabalho. Por vias da sorte ou trabalho (acredito que seja do trabalho) existem alguns momentos que se podem tornar autênticos pontos de viragem para os treinadores. Um golo nos últimos minutos de um jogo originando um resultado positivo pode tornar-se a salvação dos objectivos a que o clube se propôs.

Fiquei bastante surpreendido quando um clube apostou num treinador para que este subisse a equipa de divisão e assim que os resultados foram obtidos o mesmo treinador foi despedido. De facto não estaria nas minhas previsões que tal coisa acontecesse mas, com o passar dos tempos, apercebi-me que existem treinadores talhados para determinados objectivos e assim que esses objectivos são cumpridos torna-se quase inevitável a contratação de um novo treinador para outros objectivos, neste caso a manutenção.

Poucos são os clubes que conseguem manter o mesmo treinador vários anos seguidos. Os clubes instáveis e as entradas e saídas dos treinadores servem para reordenar os desequilíbrios.