PUB
Torcato Ribeiro apela ao “fim do ciclo das maiorias absolutas do PS”
Torcato Ribeiro apela ao “fim do ciclo das maiorias absolutas do PS”
Segunda-feira, Agosto 21, 2017

Para Torcato Ribeiro, “o fim do ciclo das maiorias absolutas do PS tem que corresponder a uma nova esperança para os vimaranenses”. O candidato à Câmara pela CDU discursou durante o primeiro comício de pré-campanha das eleições autárquicas no passado sábado, 19. A ação política contou com a presença do secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa.

Torcato Ribeiro repisou a ideia de que “uma maioria absoluta que persista em ostracizar as forças políticas que a não integram não é a melhor solução para o governo do concelho de Guimarães”, realçando que “a fasquia de exigência e expectativas dos vimaranenses colocavam-se em níveis muito elevados, a que a maioria eleita em 2013 não soube corresponder”.

Para o atual vereador da oposição, “terminado o ciclo das grandes obras de requalificação do centro urbano, impõe-se a canalização de mais energia na busca de soluções que permitam elevar a qualidade de vida dos habitantes de todo o concelho”. “É tempo de fechar o ciclo em que o investimento público municipal se concentrou quase exclusivamente na cidade, passando a centrar-se na procura da satisfação das necessidades básicas da população que vive espalhada pelo concelho, minimizando os efeitos da dispersão pelo território”.

Como prioridades, delineou “uma política de mobilidade que deve ser encarada como serviço público, e não como um negócio que, como qualquer outro, tem que dar lucro”. Para responder à perda da população, propõe-se “intervir positivamente na produção e disponibilização de terrenos infraestruturados para construção a preços controlados, lembrando ter sido “a voz que contou na contestação ao valor das rendas sociais”.

Torcato Ribeiro assumiu ainda que responsabiliza “a Câmara Municipal por uma maior atenção e arranjo dos espaços e jardins envolventes de todos os Bairros Sociais, pois são espaços públicos tão importantes quanto o Toural”, exigindo “uma maior fiscalização, identificação e castigo dos poluidores do Rio Ave e seus afluentes”. Chamou à colação as Vimágua, que, para Torcato Ribeiro, “terá que assumir um papel mais activo na eliminação destes focos poluidores acelerando a devida separação das águas pluviais das águas residuais”.

Antes de Torcato Ribeiro foi a candidata à Assembleia Municipal, Mariana Silva, que voltou a falar da mobilidade e da necessidade que “todos os vimaranenses terem a possibilidade de se deslocarem em transportes públicos confortáveis, com horários aceitáveis, a preços acessíveis e com rotas que sirvam todas as freguesias.

Para Mariana Silva, “a CDU é a única força política que esteve atenta a todo o processo da Capital Verde Europeia que parece não querer sair do papel”, com ações como “o mapa de identificação das praias fluviais do concelho”, referindo que o exemplo da praia Seca, nas Taipas, “que continua a ser apenas uma lembrança para os mais velhos e existem já gerações que nunca usufruíram dela e que apenas cresceram com a imagem de um rio às cores. Sublinhou ainda que defende a criação de uma ciclovia: mas essa infraestrutura, em vez de ser criada “à volta do centro da cidade”, deveria “estar a ser preparada uma ciclovia que servisse a população nas deslocações entre a casa, o trabalho, a escola, o comercio e os locais de lazer”.

No comício realizado no Jardim da Alameda de S. Dâmaso, Jerónimo de Sousa disse que “vale a pena [o trabalho desenvolvido] nos concelhos e freguesias onde a CDU é minoria, porque neles todos os dias demonstramos que somos uma presença necessária e insubstituível”. “Vale a pena pelas propostas positivas que a CDU apresenta, pela voz que dá nas autarquias aos problemas, aspirações e reclamações das populações que, de outra forma, seriam esquecidos e desprezados”, focou.