PUB
Sem olhar a quem…
Quinta-feira, Dezembro 5, 2019

O Banco Local de Voluntariado da Câmara Municipal de Guimarães foi distinguido pela Confederação Portuguesa de Voluntariado com o “Selo de Qualidade” na categoria de “Excelência”, no âmbito da entrega dos prémios “Troféu Português de Voluntariado”, cuja celebração nacional decorreu em Guimarães, esta quinta-feira, 05 de dezembro, Dia Internacional do Voluntário.

Com cerca de 1.500 membros, o Município de Guimarães tem o maior Banco Local de Voluntariado do país. Só por si, diz muito do que representa a comunidade vimaranense! Aqui, não nasceu apenas Portugal! Aqui, há pessoas disponíveis, generosas, comprometidas com o bem coletivo, corajosas e empreendedoras, com uma forma nobre de exercer a cidadania ativa e com uma força motriz que contraria as relações mercantis do mundo contemporâneo.

Na cidade fundadora da Nação, há voluntariado – essa declaração suprema da dignidade humana. Da dignidade enquanto escolha de onde e como queremos usar o nosso tempo. De cidadãos que, dentro das suas competências, dão um pouco de si à comunidade nas mais diversas expressões culturais, associativas, desportivas ou exclusivamente sociais. Com alma e alegria interior. Em nome da concretização de sonhos e de causas. E de fazer acontecer.

Atuar como voluntário é ter um ideal por bem fazer, correspondente a uma decisão (e adesão) livre, apoiada num conjunto de motivações, que vão desde o altruísmo à necessidade de socializar e de partilhar experiências, passando pela realização profissional e necessidade de melhorar as competências técnicas e práticas. É um encontro de vontades comprometidas numa relação solidária dos cidadãos com a sua comunidade resiliente.

Sim, o voluntariado pode ser para todos! Porque todos temos um superpoder, um talento e algo para contribuir. Sim, o voluntariado gera valor! Não é por um trabalho não ser remunerado que não acrescenta riqueza. O INE estima que as horas de trabalho voluntário em Portugal têm um valor equivalente a 1% do PIB, ou seja, qualquer coisa como 1,8 mil milhões de euros. Não, o voluntariado não gera desemprego! Um estudo da National Corporation for Community and National Service (EUA) revelou que o voluntariado está associado com uma probabilidade 27% superior de empregabilidade.

Sim, vale a pena o voluntariado! A vida não é gratificante se não dermos aos outros um pouco do nosso tempo, das nossas competências, das nossas capacidades. A par desta consciência do sentimento de pertença e de solidariedade, o voluntariado (também) transforma vidas. O gesto – pequeno, determinado, digno e intencional – faz a diferença. Pode levar tempo, mas vale sempre a pena. Hoje, no silêncio da noite, pergunte-se que causa o move. E mova-se por ela. Em prol do bem comum. Sem olhar a quem! Afinal, os valores vêm do… Berço!