PUB
Reinaldo Silva é treinador de um cavalo tricampeão mundial e olímpico
Reinaldo Silva é treinador de um cavalo tricampeão mundial e olímpico
© Direitos Reservados
Quinta-feira, Maio 4, 2017

Reinaldo Silva construiu a sua carreira a pulso e é hoje treinador de um dos cavalos mais cobiçados mundialmente, o Sezuan, montado pela campeã alemã Dorothy Schneider que é também campeã olímpica.

“O Centro Hípico da Penha foi onde tive a minha primeira experiência profissional com cavalos. Seguiu-se, Riba d’Ave, onde trabalhei com Raul Borges, na vertente de saltos. Passado algum tempo, voltei à Penha para depois rumar ao Porto, para onde me deslocava todos os dias de comboio e onde iniciei a minha ligação com o adestramento – a dressage – uma das três modalidade equestres olímpicas, mais conhecida como o “ballet a cavalo”. Trabalhei com a Mafalda Galiza Mendes e o irmão Rodrigo Galiza Mendes. Foi com quem trabalhei mais anos, até agora e foi onde que ganhei mais experiência. Fomos sempre campeões nacionais. Seguiu-se, em 2009, uma incursão por Vila Verde onde só trabalhei com cavalos lusitanos, aquilo a que chamamos “cavalos inteiros”, garanhões, que não são castrados e, por isso, mais complicados de se treinar. Vinha pessoal do estrangeiro para os montar. Marco de Canavezes e Penafiel, foram os destinos seguintes, onde trabalhei com aquele que, para mim, é um dos melhores portugueses a saltar – Francisco Fleming. Uma proposta financeiramente irrecusável levou-me, em 2011 para Inglaterra e depois para a Holanda (2013) onde trabalhei com a espanhola Morgan Barbancon Mestre, a minha grande referência nestas andanças. Neste momento, estou na Alemanha, onde trabalho com a Dorothy Schneider, campeã olímpica, em título, por equipas”.

Sezuan, tem agora 7 anos de idade e está nas mãos de Reinaldo Silva e de um seu colega, como faz questão de relembrar, desde os 3 anos. É um cavalo tricampeão mundial e o principal foco de atenções dos seus dois treinadores. “Se eu não estiver lá tem que estar o meu colega e se ele não estiver, tenho que estar eu. É um cavalo, que só nós dois é que lhe tocamos”. Não se pense, contudo, que vida de treinador de cavalos é fácil. O dia começa, habitualmente, pelas 6 horas da manhã e termina perto das 19 horas. “Começo por preparar os cavalos para ir para o exterior. Apesar de serem cavalos de muito dinheiro, passam pouco tempo nas boxes. Vão para o campo onde têm mais liberdade. Não é muito usual mas, é a melhor coisinha que a gente pode fazer para um cavalo de desporto sentir que é cavalo. No entanto, tem de haver tempo para que possa aprender a trabalhar em prol do ser humano. E essa parte sou eu e meu colega Stefan que fazemos – a transferência daquilo que é a liberdade do campo para o que é o trabalho. Em prova, terão de estar em andamento durante 7 ou 8 minutos e os diferentes passos e exercícios obrigatórios têm de ser bem trabalhados. É um pouco como a patinagem artística.”.

Também como noutras modalidades, um bom treinador, não tem de ser forçosamente um bom praticante. Reinaldo Silva é um desses casos. Lida diariamente com o treino de cavalos mas, não sabe montar. Mais ainda: não tem qualquer formação específica, de base científica, para o fazer. Situações que não o atrapalham. “Tenho feeling para os cavalos. Basta-me olhar para um cavalo para ver e sentir o que tenho que fazer. Está na minha natureza. Há tempos, bastou-me assobiar para um cavalo que já não via há três anos, para que ele viesse ter comigo. Já sabia que era eu. Eles têm uma relação muito próxima com os treinadores. Quando estou mal disposto, reflete-se neles. Eles pressentem isso e tem influência na sua prestação”.

Dez milhões de euros foi quanto já ofereceram por Sezuan, o cavalo que Reinaldo Silva tem em mãos diariamente. Mas, pelo que nos diz, vale ainda mais. “Só para terem uma ideia, nesta altura da recolha de sémen, para procriação, conseguem-se recolher entre 15 a 20 palhetas, por dia. A 2.500 euros cada uma, dá uma rentabilidade de 50 mil euros. Por dia! Este é o rendimento de um cavalo inteiro. Claro que também há despesas associadas ao treino e criação. Desde aquatraining, onde o cavalo anda numa passadeira com água, sauna, para os fazer transpirar, solários, para os secar com raios infravermelhos e até SPA, onde podem, por exemplo, tratar dos tendões em recipientes de água e gelo”.