Querido L’Agosto sobe aos jardins do Paço dos Duques de Bragança
Querido L’Agosto sobe aos jardins do Paço dos Duques de Bragança
© Paulina Valente Pimental
Terça-feira, Agosto 7, 2018

O L’Agosto, em 2018, muda-se dos jardins do Museu Alberto Sampaio para os do Paço dos Duques de Bragança. São três dias de música com propostas variadas, com tempo para uma visita guiada pelas sonoridades luso-africanas.

A segunda edição do L’Agosto realiza-se durante o próximo fim-de-semana, em Guimarães. O ponto forte do cartaz deste ano é a diversidade das propostas que serão levadas ao jardim do Paço dos Duques de Bragança, entre os dias 9 a 11 de agosto, com concertos a partir das 22 horas.

A quinta-feira será pontuada pela apresentação de Pedrinho Xalé, autor de “Aleluia”, autor de um dos mais referenciados trabalhos recuperados por DJs e que recentemente mereceu uma reedição pelo pulso da editora Mar&Sol, em 2018.

Sexta-feira mantém-se nos ritmos e tempos quentes provindos de África, com um concerto dos Fogo Fogo (na foto), o novo projeto de Francisco Rebelo e João Gomes, dois dos mais profícuos músicos portugueses contemporâneos, cuja carreira remonta à década de 1990 quando, com os Cool Hipnoise, começam a explorar as sonoridades africanas.

Sexta-feira fecha com o regresso dos PAUS à cidade. A banda está a apresentar o disco “Madeira”, saído no mês de abril e encerrará a série de concertos para o primeiro dia de L’Agosto.

Quem está de regresso aos discos, com o novíssimo “Riverine”, são os (agora) bracarenses Imploding Stars. A banda, que teve a sua origem no início da década, na altura muito ligada à cena rock da vila de Caldas das Taipas, iniciará os concertos de abertura do fim-de-semana.

Segue-se no alinhamento da noite de sexta-feira 10, dedicada marcadamente à sonoridades rock, o concerto dos decanos da segunda vaga do punk-rock português – os conimbricences The Parkinsons, formados na aurora do novo século. Também eles têm disco acabado de sair. Chama-se “The Shape Of Nothing To Come”.

O L’Agosto volta a ser internacional com os italianos Soviet Soviet. “Endless”, o último disco da banda de Pesaro, cidade costeira do nordeste italiano, lançado em 2016, tem sido descrito como um trabalho denso e negro, capaz de agradar a vários tipos de audiências. Tocam a partir da meia-noite.

Último dia deste festival urbano, sábado 11, começa com concerto dos Ghost Hunt. O duo de Coimbra, composto por Pedro Chau (também baixista dos The Parkinsons) e Pedro Oliveira, lançou há dois anos o disco homónimo. Espera-se um desfile de eletrónicas espaciais com reminiscências new age.

O L’Agosto encerra como começa, com a exuberância frenética, espécie de “Club Atlas”, com fortes tonalidades provenientes de África. A última noite deste fim-de-semana de Agosto termina com o angolano Diron Animal a apresentar o disco “Alone” e com Brako – grande sintetizador de sonoridades globais.

Ainda, no final das noites de sexta-feira e sábado há DJ sets, com Eduardo Morais e Alfredo, respetivamente. A partir da uma da manhã.

O bilhete geral para os três dias de L’Agosto custam 13 euros. Há bilhetes diários também disponíveis pelo valor de 6 euros. O L’Agosto é uma organização da promotora e editora Elephante e Lobo Mau, com apoio da autarquia de Guimarães.

Cartaz da edição de 2018 do L’Agosto.