PUB
Projeto do Agrupamento de Escolas de Briteiros aposta na educação pela diversidade
Sexta-feira, Março 10, 2017

Cerca de meia centena de alunos, provenientes de quatro países europeus, contactaram pela primeira vez com a realidade portuguesa.

Às nove horas já todos se agrupam no espaço exterior da Escola Básica de Briteiros. Grupos de alunos provenientes de cinco países da Europa, Portugal incluído, podem ser uma amostra interessante da diversidade do continente. Este é precisamente o aspeto que todos mencionam, quando questionados sobre o melhor quem tem o Erasmus+, ou seja , o fato de durante uma semana estarem em contacto com realidades diferentes. A um dia do final desta experiência todos, professores e alunos, a classificam como muito rica.

Durante esta semana, a escola de Briteiros recebeu cerca de cinquenta alunos de outras escolas, juntamente com o Agrupamento de Escola Escolas André Soares, em Braga, vindos de Stralsund, na Alemanha; Svalov, na Suécia; Lebork, na Polónia; e Sarreguemines, em França, que é a cidade mais próxima de Guimarães, a 2 mil quilómetros de distância.

O programa de intercâmbio Erasmus+ permite que, nomeadamente, escolas se possam candidatar a este programa europeu. O professor Luís Morais, da Escola Básica de Briteiros, confirma que esta é uma oportunidade para que os alunos estejam diretamente em contato com realidades diversas à sua. Mas também para os professores esta é uma oportunidade para contactarem com outras formas de organização das escolas e das salas de aula.

A manhã de quinta-feira foi passada nas redondezas da escola de Briteiros, altura em que visitaram a fábrica de produção de cutelarias Herdmar, o Instituto 3B’s e o laboratório de análises A2, estas últimas localizadas no Avepark. Nos dias anteriores, o grupo passou pelas cidades do Porto e de Braga, onde, entre outros motivos, ficaram a conhecer a baixa portuense e o Estádio AXA, respetivamente. Além destas visitas de estudo e reconhecimento, os alunos participam em workshops e outras atividades, que permitem que interajam de uma forma mais efetiva.

Fora do programa, que começou na segunda-feira, 6 de março, alguns alunos vão tomando algumas experiências com as famílias que acolhem estes alunos por estes dias. Também para os alunos que acolhem e para as suas famílias esta é uma semana diferente. Para os professores há também muito trabalho a fazer. Esta é uma semana especialmente intensa para o grupo de professores que organiza a visita.  Além disso, há um conjunto de relatórios que é necessário produzir sobre os trabalhos que se desenvolvem durante as visitas.

Por exemplo, Julie, rapariga francesa proveniente de Sarreguemines, experimentou o já tradicional prato português que tem o nome do seu país – a francesinha. Talvez devido estes programas extra curriculares, alguns dos alunos acusavam algum cansaço acumulado já durante a semana. Luísa, de 13 anos, que acolheu Julie em sua casa, já esteve na Suécia ao abrigo do mesmo programa. “É uma experiência única que nos permite trabalhar com diferentes culturas e conhecer países muito diferentes do nosso. É diferente de quando vamos com os nossos pais em viagem” – conta-nos a aluna de Briteiros.

No final da manhã, o ritmo das visitas teve que ser acelerado para que se evitassem atrasos. Da parte da tarde serão recebidos na Câmara Municipal de Guimarães, pela vereadora com a pasta da educação, Adelina Pinto. Antes disso, o momento de descontração, em que se juntam todos à mesa e que é sempre uma ocasião especial. A gastronomia deverá ser um dos elementos que estimula maior curiosidade, adivinhamos nós. O programa da visita continuará até sexta-feira, altura em que o primeiro grupo de alunos, suecos e polacos, regressa aos seus países. No sábado será a vez dos alemães e dos franceses regressarem a casa.

O Erasmus+ é um programa criado pela União Europeia, em 2014 e lançado até 2020. Promove a educação, formação, juventude e desporto através da diversidade cultural europeia. Este programa agregou um conjunto de outros, entre eles o famosos programa Erasmus, que promoveu o intercâmbio entre estudantes universitários.

Segundo dados da Agência Nacional Erasmus+ Educação e Formação, entre 2014 e 2016 foram recebidas 715 candidaturas a projetos de mobilidade e de parceria do Ensino Escolar e financiou 155 projetos com coordenação portuguesa. Estão em curso, ou já terminaram, 103 projetos de mobilidade; 24 projetos de parceria estratégica do Ensino Escolar e 398 projetos de parcerias entre escolas (28 com coordenação portuguesa e 370 onde as escolas portuguesas são parceiras). Até 2020 o programa tem um orçamento de 20 milhões de euros.