PUB
Projeto de comunidade quer pôr “Taipas a Florir”
Projeto de comunidade quer pôr “Taipas a Florir”
Paulo Dumas
Domingo, Novembro 24, 2019

Um projeto colaborativo, que pretende envolver a população, num processo de responsabilização coletiva para o tratamento dos espaços ajardinados da vila. O projeto Taipas a Florir que envolver moradores, condomínios e empresas.

Um olhar atento pelos inúmeros canteiros existentes na vila de Caldas das Taipas, dará para reparar na forma cuidada com que alguns deles se apresentam. Algumas das caldeiras de árvores da Rua 19 de Junho, na Rua Professor Manuel José Pereira ou na Rua Trajano Augusto, são exemplo disso mesmo.

Uma das medidas lançadas no programa de ação da Brigada Verde de Caldelas, por altura do seu lançamento em março de 2018, era o projeto Taipas a Florir a ser implementado pelos elementos da própria Brigada Verde e com a execução da Junta de Freguesia de Caldelas.

Depois de algum trabalho que já vem sendo feito no último ano, o projeto Taipas a Florir foi formalmente apresentado na manhã de sábado, 23 de novembro, na Junta de Freguesia de Caldelas, numa sessão que contou com a presença de responsáveis autárquicos do concelho e da freguesia de Caldelas.

Além do trabalho de comunidade, que desafia os moradores a cuidarem dos espaços verdes públicos, junto às suas habitações, o que já vem acontecendo em alguns lugares, a Junta de Freguesia avançou também com um conjunto de projetos de arquitetura paisagista, com o objetivo de tratar as entradas da vila.

Esse trabalho começou com a entrada sul da vila, junto ao Rio Ave. As restantes quatro rotundas serão igualmente tratadas, segundo um conceito que o arquiteto paisagista João Pessoa descreveu como tendo uma linha de continuidade, apesar de cada uma ter elementos singulares.

O mosaico das espécies escolhidas deverá permitir que durante todo o ano as partes ajardinadas das rotundas tenham em encanto especial, consoante as estações do ano. Estas intervenções, de maior envergadura e consequente mais onerosas serão financiadas pela Junta de Freguesia, fruto da delegação de competências formalizada com a Câmara Municipal de Guimarães.

O tratamento dos pequenos canteiros, a vertente colaborativa do projeto, parte do princípio de que o sentido de pertença será conseguido se os habitantes, moradores ou grupos de moradores cuidarem dos espaços envolventes às suas habitações, ideia que foi sublinhada pelo presidente da Câmara, Domingos Bragança.

Para o presidente da Junta de Freguesia de Caldelas, a quantidade de espaços ajardinados existentes torna difícil a sua gestão e o seu tratamento. Daí que se tenha partido para ideia de desafiar quem tem algum gosto pela jardinagem a cuidar de pequenos espaços. A ideia é, segundo o presidente da Junta generalizar esta prática que já acontece em alguns pontos da vila.

Pessoas particulares ou empresas poderão “adotar” um espaço ajardinado. Tal implica que passem a ter o cuidado de o manter, comprometendo-se a autarquia a prestar auxílio, sempre que necessário e sempre que seja solicitada essa ajuda. Algumas empresas optaram por financiar algumas intervenções de maior dimensão, como é o caso das rotundas.

Durante a manhã de sábado foi colocada na Rua Professor Manuel José Pereira, ainda que de forma simbólica, a primeira placa do projeto Taipas a Florir. Aí está inscrito o nome ou a designação dos cuidadores dos espaços, podendo ser uma pessoa, um grupo de residentes, um condomínio ou uma empresa.

No plano de intervenção nas rotundas, depois da entrada sul, que está praticamente concluída, seguir-se-á a designada rotunda do Cutileiro onde, além do plano de intervenção do plano vegetal, se pretende valorizar e dar mais visibilidade ao monumento que atualmente se encontra dissimulado entre a vegetação. O plano inclui ainda a rotunda do Escalheiro, a da Rua Pe. Silva Gonçalves e ainda a da saída para a Póvoa de Lanhoso.