PUB
capa_295_loja-online
capa_295_loja-online

Jornal Reflexo #295

1.00 IVA incl.

2021 com muitas incertezas

Raros são os setores que não estão a sentir a crise generalizada causada pela Covid 19. No entanto, há setores que tiram vantagens de quando tudo está em baixo. Num texto de opinião, Francisco Louçã, no jornal Expresso, afirma que os grandes beneficiadores da crise económica são os títulos financeiros. Refere que as pessoas estão a adiar aplicar o seu dinheiro na aquisição de novos produtos. Por outro lado, os juros bancários (como toda a gente sabe) estão baixíssimos (ou ainda se paga para ter o dinheiro nos bancos). As empresas, perante a redução do consumo, temem investir, o que pode levar ao desemprego. Perante esta realidade, Louçã afirma que estamos perante um cenário de deflação que empurrará os investidores para o mercado financeiro, que se irá autoalimentando até… a bolha rebentar.

Ou seja, será difícil termos um 2021 pior que o ano que finalizou, mas não será tão improvável quanto isso.

Ler o Editorial na íntegra  →
Alfredo Oliveira
Diretor

Categoria: Etiqueta:

Product Description

2021 com muitas incertezas

Raros são os setores que não estão a sentir a crise generalizada causada pela Covid 19. No entanto, há setores que tiram vantagens de quando tudo está em baixo. Num texto de opinião, Francisco Louçã, no jornal Expresso, afirma que os grandes beneficiadores da crise económica são os títulos financeiros. Refere que as pessoas estão a adiar aplicar o seu dinheiro na aquisição de novos produtos. Por outro lado, os juros bancários (como toda a gente sabe) estão baixíssimos (ou ainda se paga para ter o dinheiro nos bancos). As empresas, perante a redução do consumo, temem investir, o que pode levar ao desemprego. Perante esta realidade, Louçã afirma que estamos perante um cenário de deflação que empurrará os investidores para o mercado financeiro, que se irá autoalimentando até… a bolha rebentar.

Ou seja, será difícil termos um 2021 pior que o ano que finalizou, mas não será tão improvável quanto isso.

Ler o Editorial na íntegra  →

Alfredo Oliveira
Diretor