PUB
Pré-temporada
Domingo, Agosto 3, 2008

Estamos em plena época pré-competitiva, criam-se dúvidas em relação a prestação das equipas. O início é sempre entusiasmante e as expectativas são elevadas, com mudanças e mais mudanças, com entradas e saídas de jogadores, o rigor orçamental ao qual as equipas estão aliados, as dúvidas começam a surgir quanto aos valores de transferência de jogadores e a convicção de um bom investimento.

As mudanças não se verificam apenas nos jogadores mas também nos sistemas directivos, nas equipas técnicas e métodos de reino.

As certezas e incertezas pairam no ar, os jovens jogadores tentam convencer os treinadores a apostar neles. Sabemos à partida que os jogadores de características ofensivas terão mais possibilidades a vingar nos clubes e os mais defensivos terão que esperar mais um bocado e ganhar mais maturidade. Este facto verifica-se porque os jogadores ofensivos têm apenas que mostrar a sua irreverência e estar despreocupados com os erros defensivos, enquanto a margem de erro para jogadores defensivos é nula.

Continuo sem perceber, porque é que grande parte das equipas continuam a dar grande importância em elevar as capacidades físicas dos jogadores a um patamar superior em detrimento de desenvolver as suas equipas na globalidade. Neste momento fala-se muito em índices físicos, as equipas jogam mal e a culpa é das capacidades físicas que ainda não estão ao seu nível, pura ignorância. O futebol é um todo e não podemos separar nem dividi-lo em partes. Não podemos ou pelos menos não deveríamos trabalhar separadamente o físico, o psicológico/emocional, o técnico e o táctico. Percebamos o futebol vive da articulação de todas as dimensões, é como a agua, se apartarmos as duas moléculas de hidrogénio e a molécula de oxigénio de certeza que não dá para beber, não tem lógica estarem separadas.
Temos que entender que o futebol é um todo e tudo que o rodeia faz parte dele.
Tenho a convicção que estaremos diante de uma temporada fantástica, repleta de confrontos e guerras que nos farão vibrar até ao último suspiro.