PUB
Páscoa diferente em que “não é permitido desânimo” e com a internet a servir de atenuante
Páscoa diferente em que “não é permitido desânimo” e com a internet a servir de atenuante
Bruno José Ferreira
Sábado, Abril 11, 2020

A Páscoa deste ano é forçosamente diferente das demais. A pandemia mudou hábitos no quotidiano das pessoas, no trato social até ao mais ínfimo pormenor, e chegou, inevitavelmente, à religião.

A tradicional Visita Pascal a cada uma das casas foi cancelada, mas, tal como referiu o pároco de Caldelas, Pe José Agostinho Ribeiro, “não nos é permitido desânimo” mesmo a Covid-19 obrigando a que “muita coisa possa e deva ser repensada ou reconstruída” no futuro.

“Encontramo-nos numa situação extraordinária. A festa da Páscoa, vitória da vida sobre a morte, neste contexto, será também oportunidade para interiorizarmos os compromissos que daqui advêm. Este ano a Páscoa, nas suas manifestações, será diferente: mais em família, igreja doméstica. Cada família, no aconchego do lar, saberá, certamente, viver este momento como verdadeiro encontro com o ressuscitado. Entretanto, para que os fiéis tomem consciência da absoluta centralidade da Ressurreição para a nossa fé, no Dia de Páscoa, os sinos tocarão algumas vezes ao longo do dia, de acordo com a tradição”, disse em entrevista ao Reflexo.

De forma a atenuar os efeitos da pandemia, as paróquias da Vila de Ponte e de Vila Nova de Sande vão fazer a transmissão em direto das celebrações pascais nas redes sociais, de forma a poder chegar aos fiéis mesmo em tempo de Estado de Emergência, colmatando assim a impossibilidade de realização destes eventos com a participação de público.

Este domingo são transmitidas as eucaristias nas páginas de facebook de cada uma das paróquias, às 11horas na Igreja Matriz de São João de Ponte e às 17h30 celebrada na Igreja de Vila Nova de Sande.