Parque da Praia Seca é uma resposta aos “anseios de muitos anos da população”
Domingo, Outubro 27, 2019

A definição do caráter da intervenção foi feito por Luís Soares, presidente da junta de Caldelas. Com esta inauguração foram renovados novos compromissos para a criação de uma praia fluvial e para a valorização da margem até ao parque de lazer da vila.

Está inaugurado espaço de lazer junto à foz da Ribeira da Agrela, na freguesia de Caldelas. Marcada para o início da tarde de domingo, 27, a cerimónia contou com a presença do diretor da Agência Portuguesa do Ambiente (APA), José Pimenta Machado, que elogiou o trabalho desenvolvido em Guimarães e que se comprometeu em ajudar à classificação desta zona como praia fluvial.

Foi ao presidente da autarquia taipense, Luís Soares, que coube iniciar a série de intervenções da tarde, que antecedeu o convívio da freguesia e que se desenrolou durante o restante dia. O presidente da junta resumiu o trabalho efetuado desde a tomada de posse do executivo, que tenderia à criação de condições para devolver esta zona ribeirinha à população.

O autarca explicou que os constrangimentos encontrados não impossibilitaram o avanço de uma primeira fase do projeto de valorização da Praia Seca, que a autarquia apresentou publicamente em outubro do ano passado. Há aspetos que permanecem pendentes, como a instalação de sanitários, por dificuldades no seu licenciamento, ou ainda a ligação ao parque de lazer da vila, mais a jusante.

Esta primeira fase é o resultado de um trabalho conjunto entre a Junta e a Câmara Municipal que, frisou o presidente da autarquia taipense, manifestou desde a primeira hora a vontade de fazer a ideia acontecer. É uma parte de um projeto mais alargado e que o presidente da APA viria poucos minutos depois a classificar de “ambicioso”.

A requalificação da Praia Seca era um objetivo do mandato, disse Luís Soares, e este será um primeiro passo no sentido de o rio passar a estar mais acessível e mais próximo das populações, condição fundamental para que cada cidadão seja um cuidador deste recurso natural.

O que hoje se materializou e simbolicamente foi devolvido à população é também o resultado do trabalho de quem antecedeu o atual executivo. Luís Soares lembrou o trabalho desenvolvido pelo executivo anterior. O projeto encomendado ao engenheiro Pedro Teiga (especialista na conservação e requalificação dos rios e das suas margens) e o terreno onde foi feita a intervenção, que foi adquirido pelo executivo de Constantino Veiga.

Entre os compromissos formados pelos representantes das várias entidades está a ligação da zona da Praia Seca ao parque de lazer da vila, podendo ser uma realidade num futuro próximo. José Pimenta Machado comprometeu-se, através da APA, a participar e a ajudar no financiamento do projeto de valorização a margem direita do rio. Nesse sentido, na primeira metade do próximo ano, deverá ser assinado um protocolo entre Junta de Freguesia, Câmara Municipal e APA.

Também o presidente Domingos Bragança voltou a manifestar a sua vontade – um sonho que deseja ver realizado, nas palavras do próprio – de criar uma via pedonal e ciclável ao longo de todo o percurso do rio que atravessa o concelho de Guimarães – desde Arosa e Castelões até Ronfe.

O autarca recordou o seu compromisso de 2013 em fazer com que Guimarães passasse a percorrer o caminho da sustentabilidade ambiental. “Algumas ideias parecem utópicas, mas é preciso iniciar o caminho”, frisou Bragança relevando para primeiro plano o trabalho que tem sido feito nesse sentido, em conjunto com outras entidades, sem deixar de mencionar que continua a haver problemas que é preciso resolver.

A tarde continuou em tons cinzentos, com o sol a querer furar as nuvens. A festa foi animada pelo Grupo de Amigos dos Reis das Taipas e pelo Grupo de Cantares da Vila. O espaço amplo ficou ocupado pela centena de pessoas que quiseram participar na cerimónia e ficar a conhecer o novo espaço, que ganhou algumas árvores, onde foram instaladas mesas e uma área com grelhadores e bancas com lavatórios.