PUB
Pandemia COVID 19 e Assembleia Geral Taipas Termal: Irresponsabilidade ou Intenção?
Sábado, Abril 4, 2020

Vivemos tempos difíceis, dificuldades únicas nunca antes enfrentadas pela nossa geração. Mas juntos, com consciência, seguindo as regras e instruções das entidades sanitárias, VAMOS VENCER!

Renovo o apelo de que FIQUEM EM VOSSAS CASAS, LAVEM AS MÃOS com frequência, respeitem o DISTANCIAMENTO SOCIAL, APOIEM OS GRUPOS DE RISCO, OS MAIS DESFAVORECIDOS e EVITEM QUAISQUER REUNIÕES DE GRUPO.

Todavia, há EXEMPLOS DE IRRESPONSABILIDADE que são absolutamente DISPENSÁVEIS!!!

No passado dia 17 de Março de 2020 teve lugar a Assembleia Geral da Taipas Termal (TT), incluindo na Ordem de Trabalhos a aprovação do relatório de contas do exercício de 2019. Como muitos de vocês sabem há várias dúvidas (ou certezas) sobre problemas na gestão da Cooperativa nos tempos recentes.

Deixem-me fazer, uma nota prévia: escrevo aqui apenas na qualidade de cooperante da TT.

Para aqueles que, como eu – quer como Taipense anónimo, quer como ex-diretor da TT –, dedicaram anos de esforço ao relançar da Cooperativa, este era um momento que requeria o máximo de participação para esclarecimento das dúvidas lançadas na comunicação social sobre a TT.

Em devido tempo, alertei, por escrito, o Sr. Presidente da Assembleia Geral (AG) da TT que todas as entidades sanitárias e governamentais desaconselhavam fortemente a realização da mesma nessa data.

O Senhor Presidente da AG, Dr. Miguel Oliveira, a quem a última palavra cabia na matéria em questão, decidiu indesculpavelmente desconsiderar o meu alerta.

Chamei a sua atenção para a emergência de saúde pública de âmbito internacional, declarada pela ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE, no dia 30 de janeiro de 2020, a classificação do vírus como uma pandemia, no dia 11 de março de 2020; a situação excecional do país e a proliferação de contágio de COVID-19; a eminência de declaração do Estado de Emergência Nacional, pelo Sr. Presidente da República, que se concretizou no dia seguinte ao da assembleia geral da TT; para o apelo que o Senhor Primeiro Ministro lançou, à mesma hora da realização da AG da TT, aos portugueses para recolherem a casa, e ADIAREM TODAS as REUNIÕES DE GRUPO; para o apelo que o Senhor Presidente da Câmara Municipal de Guimarães lançou aos vimaranenses para resguardem no domicílio; bem como para o próprio Plano de Contingência da Cooperativa com encerramento de todas as atividades, acionado na manhã do dia anterior, pelo facto do Diretor Clínico da Clínica de Saúde ter entendido (em minha opinião bem) que não estavam reunidas as condições de segurança para evitar a propagação da doença por COVID-19 dentro das instalações da TT.

Em relação à AG da TT assim não foi decidido. Pergunto ao Presidente da AG da TT: PORQUÊ?

Mas se o Presidente da AG andou mal, mal andou igualmente o Sr. Presidente da Direção da Cooperativa, Eng. José Maia Freitas, que, como responsável máximo da TT deveria ter, de mote próprio, solicitado o adiamento daquela AG, seguindo o exemplo do encerramento da Clínica de Saúde, em nome da coerência! Pergunto ainda ao Presidente da TT: o porquê de ter encerrado a Cooperativa na 2ª feira, mas só ter publicitado esse facto na 4ª feira, depois da realização da dita Assembleia? Foi coincidência?

Pergunto ao Sr. Presidente da Junta de Freguesia de Caldelas, Dr. Luís Soares, que em representação da Junta de Freguesia, ocupa o cargo de Secretário da Mesa da AG da Cooperativa, se tem opinião sobre o sucedido e, se sim, qual?

Pergunto ao Exmo. Sr. Presidente da Câmara Municipal, Dr. Domingos Bragança, o que se lhe oferece dizer sobre o assunto, em evidente desconformidade com os seus apelos?

O facto é que a realização da AG da TT, na referida data e naquelas condições, padeceu do mais básico senso comum, sendo um ENORME DESRESPEITO pelos cooperantes, e pelos profissionais de saúde que, diária e incessantemente, lutam pelo seu próximo, expondo-se ao risco, e que veem o seu esforço desrespeitado por irresponsabilidades como a realização da AG da TT.

FIQUEI PETRIFICADO COM A RESPOSTA ESCRITA QUE RECEBI DO Presidente da AG.

Segundo o próprio, a razão para realizar a referida AG nas condições referidas foi “a necessidade de a Cooperativa ter as suas contas aprovadas…. A própria sustentabilidade, o equilíbrio financeiro da cooperativa poderá ser gravemente afetada se esta assembleia não se realizar, para que no final dos próximos meses todos os nossos colaboradores possam receber o sustento das suas famílias, isto é, o seu vencimento”.

Fiquei incrédulo: EXISTE PERIGO PARA OS SALÁRIOS DOS MAIS DE 50 FUNCIONÁRIOS DA TT??!!?

Tentou passar a ideia que, sem a realização da AG, no final dos próximos meses os colaboradores da TT não iriam receber os seus salários? Porquê? Como se justifica tal?

Porque é que os colaboradores da TT correm esse risco e os colaboradores das instituições cujos órgãos de administração tenham adiado a realização das respetivas assembleias gerais de prestações de contas, por causa da Pandemia COVID-19, não correm tal risco?

Tendo sido amplamente difundido na comunicação social concelhia as palavras do anterior Presidente da Direção, Dr. Ricardo Costa, e do próprio Ex.mo Senhor Presidente da CM Guimarães, Dr. Domingos Bragança, que a Cooperativa tem sido alvo de uma gestão exemplar, com aumento, inclusive, de recursos humanos, gozando, nas palavas dos mesmos, de saúde financeira, não se alcança a fundamentação do Presidente da AG da TT. Aliás, CONTRADIZEM-SE!

Esta atuação é, mais censurável quando os responsáveis pela TT têm ao seu dispor o Decreto-Lei n.º 10-A/2020, de 13 de março que permite a realização de AG das instituições para aprovação de contas até 30 de junho de 2020”.

Questionei, o Dr. Miguel Oliveira, sobre que dados possui a suportar a sua afirmação, para contradizer tudo o que foi dito e publicitado pelo Dr. Ricardo Costa e pelo Dr. Domingos Bragança sobre a vitalidade das finanças da TT.

Os órgãos sociais da Taipas Termal, transmitiram um terrível exemplo à população contrariando todos os apelos das autoridades sanitárias. Todas as outras cooperativas municipais e associações vimaranenses, adiaram as respetivas assembleias gerais de prestação contas… Todas menos a TT…

Tenho verificado sucessivos incumprimentos do Senhor Presidente da AG no fornecimento da informação devida aos cooperantes e tenho fundamentadas dúvidas sobre alguns factos (entretanto algumas já esclarecidas), mas o que se passou neste caso em concreto, levantam-me sérias e legitimas dúvidas sobre muitas coisas que quero ver esclarecidas…e irei ver!

Não posso nem quero acreditar que exista aqui uma concertação de ações para (num momento em que a TT tem sido o centro das atenções não pelos melhores motivos), afastar das decisões da TT os cooperantes e atuar sem qualquer tipo de escrutínio e/ou contraditório!

É um mau sinal o facto de, passados 5 anos, a única Clínica Médica de Caldas das Taipas que não foi capaz de continuar a prestar cuidados essenciais e urgentes aos seus doentes foi a da TT. Ficou assim afastada de participar na luta contra esta Pandemia do COVID 19 e de aliviar, quando possível, a sobrecarga do Sistema Nacional de Saúde (ao contrário de todas as suas Clínicas concorrentes locais) e de acordo com os pedidos da Direção Geral de Saúde. A Clínica Médica, representa a maior fonte de receita da TT (segundo o relatório de contas que me foi apenas parcialmente cedido). Estes números têm de ser explicados! O atual presidente da Direção da TT, Eng. José Maia Freitas, que integrou as anteriores Direções do Dr. Ricardo Costa, pode explicar a presente falta de condições que motivou o encerramento da Clínica? Onde está o tão anunciado “investimento”?

Não deixarei de pugnar por aquilo em que acredito, e eu acredito, como Taipense, que a Cooperativa Taipas Turitermas, Caldas das Taipas e Guimarães merecem o melhor.

A irresponsabilidade ou as “intenções” têm de ter consequências! Recuso-me a aceitar a atitude do “vale tudo”!!

SÓ VALE TUDO CONTRA O COVID 19! O arco-íris vai voltar!

Vamos cumprir as normas e salvar vidas!

 

Hélder Pereira, cooperante da Turitermas