“O que falta às Taipas”
Sábado, Julho 1, 2006

A entrevista do Presidente da Câmara à anterior edição deste Jornal nada acrescenta de importante para os interesses das Taipas.
Se a grande questão posta pelo Presidente da Câmara é “o que falta às Taipas?” querendo afirmar que nada falta, então, assunto arrumado.

Os eleitos (todos) das últimas eleições autárquicas têm a percepção de que as Taipas, para o executivo camarário, é o parente pobre do concelho. Estão a tentar esquecer as Taipas para as Taipas se lembrarem deles – qual filho pródigo que delapidou o que tinha do Pai e que regressa para implorar o desagravo. Isto é fazer política ao pior nível.

Política de baixo nível que se revela pela declaração de que a quem lhe atirar uma pedra, se puder, responde com um calhau.
Bem, não é novidade para ninguém que há muita gente na nossa praça, concelho e freguesia, que faz perseguição por motivos políticos. Para confirmar esta ideia basta atentar que o Presidente da Câmara recusou a apresentação pessoal dos membros do executivo da Junta de Caldelas e do Representante da Assembleia de Freguesia.
A entrevista revelou um quadro preocupante para a freguesia e para esta zona.

É bom de ver que se o Presidente da Câmara diz que nada faz falta às Taipas, logo nada há a fazer. Apesar de ser um silogismo, parece-me que a ser verdadeira a primeira premissa a consequência também a será. É legítimo concluir que o Presidente da Câmara de Guimarães aos costumes disse, “nada”.
Parece que este discurso do Presidente da Câmara encontra eco e apoio nos responsáveis socialistas para estas bandas. Pois é o Partido Socialista cá da Vila que anuncia, com satisfação, que o anterior mandato foi o mais profícuo para as Taipas. O Presidente da Câmara acrescenta: “O que falta às Taipas?.” Poderia acrescentar:- já está tudo feito.

Senhor Presidente da Câmara de Guimarães, há gente de cá capaz de lhe dizer o que falta às Taipas. Não, não são os que o Senhor Presidente nomeia para cargos políticos. Esses dizem-lhe que está tudo feito. E dizem-lhe que quem o fez foi V.ª Exa. Até o Intermaché, o Plus, a Cutipol, a Herdmar. Tudo o que existe nas Taipas foi a câmara que fez. O edifício da Banda de Música das Taipas; o pavilhão do CART, o Campo do Montinho, as instalações dos Bombeiros Voluntários, as Viaturas dos Bombeiros, o Parque de Lazer, o Rio, as Termas, as Piscinas; os Campos de Ténis; o Coreto, a Igreja; o futuro Centro Pastoral. Tudo, tudo Senhor Presidente. Eles, Senhor Presidente, estão muito satisfeitos por o Senhor Presidente ter transformado as Taipas num brinquinho. O Senhor Presidente prometeu, cumpriu.

Agora não falta nada. Vamos para um lado e temos a reinauguração do coreto. Com concerto da Banda de Música – a mais antiga do concelho – e muita gente a assistir. Por certo vieram vê-lo, Senhor Presidente. Depois temos o lançamento da Monografia das Taipas; a prova de atletismo; o torneio federado de Petanca; a feira da francesinha; o Rock in Taipas; o concerto da Banda da Força Aérea; a feira do vinho verde; a feira do gado; as “chegas de bois”; a feira do livro; a feira do artesanato.

Oh, Senhor Presidente da Câmara, os seus informadores das Taipas não lhe estão a falar verdade. Até V.ª Exa reconhece que não fez nada daquilo. O que se pode dizer é que contribuiu com algum dinheiro do Município para a realização daquelas obras. Ora diga lá se já comprou uma rifas para ajudar à construção do Centro Pastoral. Se não comprou, compre, contribua com o seu dinheiro, pois vai ser nessa altura que vai compreender o esforço que muitos e bons Taipenses fizeram, ao longo da história, para construir muita coisa de bom que as Taipas vai tentar conservar, mesmo sem o dinheiro do Município.