O nascimento de gémeos nas Caldas das Taipas em 1730
Quinta-feira, Março 21, 2019

O nascimento de gémeos na raça humana é um acontecimento biologicamente raro, o que lhe valeu um deslumbramento universal. Na investigação que empreendemos aos registos de batismo da freguesia de São Tomé de Caldelas, nos séculos XVI a XIX, foi possível detetar, nas centenas de assentos, situações rotineiras mas também inusitadas.

Um desses casos, foi o batismo de recém-nascidos gémeos, como o dos irmãos Manuel e Marcos. Nos séculos XVII e XVIII, foram raríssimos os trabalhos de parto em que nasceram crianças gêmeas na freguesia de São Tomé de Caldelas.

A 25 de abril de 1730, surge-nos o primeiro caso documentado de uma gravidez múltipla nas Caldas das Taipas. Neste assento de batismo registado pelo Padre Gabriel de Matos, pároco de São Tomé de Caldelas, temos notícia de que nesse dia, os irmãos gémeos Manuel e Marcos “gemeos (…) nasceram ambos de hum parto”. Ambos eram filhos legítimos de Filipe Fernandes e de sua mulher Mariana de Freitas moradores no lugar do Penedo, da freguesia de São Tomé de Caldelas.

Os gémeos foram solenemente batizados no dia seguinte pelo pároco Gabriel de Matos na igreja paroquial. Foram padrinhos de Manuel: Martinho Álvares, do lugar do Penedo; e Antónia, solteira, filha de Francisco da Silva, do lugar da Lameira. Por sua vez, os padrinhos de Marcos foram: Jerónimo Francisco morador no lugar do Canto; e Antónia, solteira, filha de Manuel Mendes, do lugar do Penedo. Testemunharam o batizado, a saber: Custódio Luís de Matos e Custódio Dinis, ambos familiares do pároco de Caldelas.