PUB
Norte da Alameda, Toural e Rua de Santo António sem carros aos fins de semana a partir de 18 de abril
Norte da Alameda, Toural e Rua de Santo António sem carros aos fins de semana a partir de 18 de abril
© Direitos Reservados
Sexta-feira, Março 13, 2020

O eixo constituído pela parte norte da Alameda de São Dâmaso, pelo lado nascente do Toural e pela Rua de Santo António ficará sem carros aos fins de semana a partir do dia 18 de abril até 27 de setembro. Esta decisão, aprovada em reunião de câmara, trata-se de um projeto piloto experimental para aferir a viabilidade da efetivação desta alteração no futuro.

Por um período de sensivelmente cinco meses o trânsito estará então vedado nas referidas vias da cidade, entre as 10horas e as 20horas aos fins de semana, com exceção do transporte público de passageiros, com caráter regular, e de residentes dos arruamentos com acesso condicionado.

O objetivo do município é promover modos de deslocação mais sustentáveis com alternativas pedonais, cicláveis e incentivo ao uso de transportes públicos de forma a reduzir o uso de automóveis.

Nesse sentido, nos períodos em que o trânsito automóvel for retirado da Alameda, Toural e Rua de Santo António, o Parque de Estacionamento de Camões terá isenção do pagamento de taxas.

Esta medida foi aprovada por unanimidade em reunião de câmara, sendo que Coelho Lima defendeu que esta era uma ideia defendida pela oposição, mas apenas e só quando existissem alternativas.

“Sempre fomos a favor da pedonalização do centro histórico, mas nunca poderíamos entrar nesta discussão sem que se apresentaram alternativas. Há aqui uma alternativa subentendida, no Parque de Camões, por isso temos consciência que o nosso voto tem uma carga política forte; havendo hoje em dia alternativas advém daí a nossa aprovação”, referiu o vereador.

Domingos Bragança vai mais longe e projeta o futuro, pensando mesmo em intervir nestas ruas da cidade caso a experiência vá de encontro ao que é expectável. “Se este condicionamento vier a resultar, as intervenções urbanísticas vão ter de acontecer para melhor pedonalizar estes espaços”, frisou.