PUB
Mudança foi a palavra-chave do discurso de apresentação pública de André Coelho Lima
Mudança foi a palavra-chave do discurso de apresentação pública de André Coelho Lima
Quinta-feira, Julho 27, 2017

A coligação Juntos por Guimarães apresentou publicamente a sua candidatura à Câmara Municipal. Da faz parte António Monteiro de Castro, Helena Soeiro, Bruno Fernandes, Ricardo Araújo e Vânia Dias da Silva.

A candidatura escolheu o Largo Cónego José Maria Gomes, onde fica o edifício que a coligação Juntos por Guimarães (JpG) quer ocupar no próximo dia 1 de outubro, para a apresentação pública de André Coelho Lima. A organização decidiu oferecer conforto aos seus apoiantes e dispôs vários lugares sentados e duas mini bancadas para receber o candidato, que chegou ao local ao som de batucada. De bandeira em punho, os apoiantes da coligação Juntos por Guimarães aplaudiram o discurso.

Destaque para a presença dos históricos do PSD local Fernando Alberto, António Xavier e José Guimarães. A ausência mais notada foi a do candidato à presidência da Assembleia Municipal, José Aguiar-Branco. Antes de falar aos seus apoiantes, subiu ao palco a professora primária do candidato, Maria do Céu Abreu, que elogiou André Coelho Lima. Chegou então o momento de um discurso sóbrio, com cerca de meia hora, sem ataques cerrados ao atual executivo. Apostou sobretudo em responder à pergunta com que iniciou a sua intervenção: “para quê mudar?”.

Retomou projetos já anunciados para Guimarães ter a “potencialidade de ser a terceira cidade do país”: “o projeto da criação de estacionamento subterrâneo capaz de retirar do o carro da cidade, revitalizar o comércio e devolver a população ao Centro Histórico”, referindo-se à introdução de 800 lugares de estacionamento com a construção de parques no Toural e Alameda. A criação de novas zonas industriais para responder àquilo que considera que este mandato não conseguiu fazer, “atrair empresas e perdeu mesmo alguns baluartes da nossa indústria que foram para outros concelhos”.

Mencionou necessidade de “termos transportes que sirvam a coesão e a qualidade de vida dos nossos cidadãos e não aquilo que acontece atualmente que é o lucro da concessionária”, de “ter pelo menos preços equivalentes aos concelhos à nossa volta” quanto às tarifas da água e de saneamento, aumentando o apoio às freguesias “com o dobro do apoio da administração central”. Falou ainda para os idosos, criticando “a política de apoio à terceira idade que se limita a convívios” e para os desportistas a quem prometeu ajudar pagando a inscrição e o seguro de cada atleta.

Pediu “uma oportunidade para abrir um novo ciclo politico no concelho”, argumentando que “o poder é melhor exercido por quem o conquista do que por quem se limita a herdá-lo”. André Coelho Lima terminou o seu discurso lembrando que foi nos Paços do Concelho onde há 25 anos declamou o pregão, nas Festas Nicolinas, e chamou ao palco todos os candidatos conhecidos às juntas de freguesia.