Militar da GNR das Taipas interpõe providência cautelar por ter de levar filhos para o posto
Militar da GNR das Taipas interpõe providência cautelar por ter de levar filhos para o posto
Direitos Reservados
Quinta-feira, Maio 17, 2018

O Tribunal Administrativo de Braga aceitou uma providência cautelar, interposta por uma militar da GNR do Posto das Taipas que, dada a inflexibilidade de horário, tem de levar os filhos para o trabalho. A notícia é avançada pelo Jornal de Notícias que dá conta que há vários casos identificados pelo país.

É notícia de manchete do Jornal de Notícias de quinta-feira, 17 de maio: as militares da GNR estão a ter de levar as crianças para o trabalho à 7 horas da manhã, depois de o Comando Geral da Guarda ter acabado com a possibilidade de haver horários flexíveis, para quem tem filhos com menos de 12 anos.

Segundo noticiado pelo JN, uma militar do posto da GNR de Caldas das Taipas interpôs uma providência cautelar, que foi aceite pelo Tribunal, que entende que a falta de flexibilidade do horário obriga a “violar responsabilidades parentais”, refere o JN.

Em declarações ao mesmo jornal Associação dos Profissionais da Guarda (APG/GNR) entende que se está em presença de um caso de “assédio laboral”. Em declarações à TSF nas edições da manhã o presidente desta estrutura, César Nogueira, considera que tem faltado bom senso, acusando os comandantes da GNR de “deturpar o que está estipulado na lei”.

César Nogueira,  nas mesmas declarações e citado pela TSF, critica ainda a interpretação que as chefias intermédias têm feito da ordem do Comando Geral da GNR e que levou à interposição da referida providência cautelar que suspende, assim, a ordem do Comandante da GNR de Guimarães.