Marcelo: “quando somos bons, somos os melhores do mundo”
Quarta-feira, Março 27, 2019

O Presidente da República esteve no Avepark onde ficou a conhecer por dentro a primeira “empresa unicórnio” portuguesa – a Farfetch. O vigésimo aniversário do grupo 3Bs da Universidade do Minho foi o segundo pretexto desta visita.

Foi uma visita frenética aquela que o Presidente da República fez esta terça-feira, 26 de março. À hora marcada, pontual, Marcelo Rebelo de Sousa chega discreto, sem o habitual aparato. Mal sai do seu automóvel, a sua diplomacia passa a ser uma constante.

A primeira paragem foi na Farfetch, no centro de produção fotográfica que a empresa tem instalado no Avepark. Faz questão de cumprimentar cada um dos funcionários, mesmo aqueles que estão fora do seu trajeto. Gera-se um turbilhão na sala, até ali tranquila. Formam-se grupos para que, à passagem do Presidente, possam tirar umas fotografias – as famosas selfies ou “marcelfies”, como a internet passou a chamar os retratos com Chefe de Estado.

No meio desta confusão de jornalistas, operadores de câmara, staff do Presidente e anfitriões da empresa, ainda havia quem se conseguisse manter-se concentrado no seu trabalho, no meio de ecrãs preenchidos com folhas de Excel coloridas. Marcelo, no entanto, não poupa ninguém. Quer um beijinho ou um aperto de mão e perceber qual o papel de cada um dos trabalhadores.

Numa sala ao lado, aguardava pacientemente José Neves, o fundador desta empresa – a primeira portuguesa avaliada em mais de um milhão de dólares e agora cotada na importante bolsa de Nova Iorque. Vemos José Neves não presencialmente, mas num ecrã, através de videoconferência. Marcelo Rebelo de Sousa senta-se lado a lado com os responsáveis pela Farfetch em Portugal, em frente ao monitor.

A Farfetch foi um projeto de rápida ascensão para uma escala de negócios a nível global. Um dos últimos sucessos foi a entrada no difícil mercado da bolsa de Nova Iorque. Os planos da empresa passam por continuar o processo de expansão em novos mercados, como a Rússia, e fortalecer a estrutura existente em Portugal, onde se faz um “trabalho fantástico”.

José Neves introduziu a empresa desta forma e acabou respondendo a uma série de perguntas colocadas pelo Presidente, que classificou a Farfetch como um “projeto prestigiante” por ser global e ter nascido português. A empresa deverá continuar a procurar desenvolver-se e como José Neves acabaria por concluir, “enquanto houver imaginação, não haverá limites”.

O fundador da primeira “empresa unicórnio” portuguesa não espera que o Brexit tenha impactos significativos já que, explica, as vendas em território do Reino Unido são relativamente baixas. A desestabilização pode surgir na equipa localizada no Reino Unido, constituída por trabalhadores provenientes de mais de três dezenas de nacionalidades. No entanto, garante que existem na empresa planos de contingência preparados.

O interior da Farfetch é um labirinto imenso de estruturas, estantes, projetores, bancadas. Foi neste meio que o Professor decidiu embrenhar-se, como que a desafiar os fotógrafos para a captação daquela fotografia de Marcelo que ainda não tinha sido vista. Missão cada vez mais impossível. Marcelo é o PR português mais fotografado de sempre.

Tal como o Reflexo havia noticiado em primeira mão, um dos motivos da visita de Marcelo Rebelo de Sousa era a data de 20.º aniversário do grupo de investigação 3Bs, da Universidade do Minho. Foi num curto percurso feito a pé que o Presidente caminhou entre a Farfetch e os atuais headquarters do 3Bs. Não recusava mais um beijinho, uma selfie que ele próprio se oferecia para tirar ou mesmo convites para desvios no percurso para ir visitar outras empresas. Marcelo não disse que não a nada, para desespero do staff de segurança.

À entrada do edifício localizado à face da avenida central do Avepark situa-se o complexo de laboratórios do 3Bs, inaugurado há 10 anos pelo então PR Cavaco Silva. Ali aguardavam já o Reitor da Universidade do Minho, a presidente do I3Bs e o diretor do 3Bs. Foi este último quem, de forma natural, liderou a visita.

Também aqui Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de passar por todas as salas e laboratórios para cumprimentar os cientistas e investigadores. Quando se inteirava do que cada um estava a fazer ia soltando comentários de motivação: “Diabetes? Ah! Esse trabalho tem ficar pronto o mais rápido possível!”

No hall da entrada do 3Bs estão agora duas placas que atestam os dois momentos em que dois presidentes da República Portuguesa passaram pelo Avepark e por esta unidade da Universidade do Minho. Uma delas datada de 25 de junho de 2009, quando Cavaco Silva inaugurou as instalações.

Uma outra placa, justaposta à primeira, descerrada por Rebelo de Sousa, assinala a data do 20 aniversário do 3Bs. Ainda uma terceira placa, provisória e já no exterior, marca um outro momento futuro, anunciando a construção de um novo edifício, onde ficará instalado o Discoveries Center, que  irá mais que duplicar a capacidade do atual equipamento de investigação.

Durante a tarde, Marcelo Rebelo de Sousa passou ainda pela cidade de Guimarães, onde esteve presente no Paço dos Duques de Bragança, participando na cerimónia integrada no Simpósio Internacional em Engenharia de Estruturas, também organizado por uma escola da Universidade do Minho. Nessa altura marcou a data de regresso a Guimarães, a convite do presidente da câmara Domingos Bragança. Marcelo presidirá às cerimónias do dia 24 de Junho do próximo ano.