Inaugurado novo acesso ao Centro Escolar de Ponte
Inaugurado novo acesso ao Centro Escolar de Ponte
Manuel Silva
Sábado, Junho 22, 2019

Já está aberto à circulação automóvel, desde a manhã deste sábado, o novo acesso ao Centro Escolar de Ponte. A nova via liga a escola do 1º ciclo à sede do Agrupamento de Escolas Arqueólogo Mário Cardoso.

A cerimonia de inauguração decorreu esta manhã, com o descerramento da placa que dá nome ao novo arruamento, rua do “Artur do Montinho”, em homenagem póstuma àquele que foi o primeiro presidente da Junta de Ponte, pós 25 de Abril, e a quem, Sérgio Castro Rocha, atual presidente da Junta daquela vila, teceu rasgados elogios na presença da sua esposa, Virginia Sousa e de uma das suas filhas.

Na sua intervenção, Sérgio Castro Rocha, após descerramento da placa alusiva à inauguração em apreço, reconheceu e agradeceu o empenho da Câmara Municipal de Guimarães, na pessoa do seu presidente, Domingos Bragança, bem como a todos os proprietários de terrenos que cederam “a título gratuito” as parcelas necessárias àquela construção, e apontou baterias para o futuro, definindo com obra prioritária para os próximos tempos, “provavelmente já não para este mandato”, como disse, a ligação viária ao aglomerado habitacional junto ao Parque da Ínsua.

“Estas obras têm que continuar. Depois desta inauguração temos que requalificar a rua do Moinhos que dá acesso a este Centro Escolar. A minha ambição, o meu sonho, e que já expus ao Sr. Presidente da Câmara, é a ligação à Urbanização do Rio. Às tais torres junto à ponte, não das Taipas, à ponte de Ponte. Aí sim, com a conclusão dessa estrada que não é para este mandato, friso, será praticamente impossível, a vila de Ponte poderá ter a possibilidade de albergar, só ali no Monte da Ínsua, cerca de 2 mil habitantes. Aquilo é tudo terreno de construção, faltam só as infraestruturas e com a conclusão dessas infraestruturas, a vila de Ponte pode passar de 8 mil, para cerca de 10 mil habitantes. Julgo que no concelho de Guimarães não há mais nenhum local que possa fazer crescer, nesta dimensão, o seu número de habitantes”, referiu Sérgio Castro Rocha a propósito das obras que têm pensadas para a freguesia.

Domingos Bragança, presidente do município vimaranense, começou por referir-se à justiça na homenagem prestada a “Artur do Montinho” no sentido da fixação das “nossas referências” para que não se percam nas gerações futuras. “É necessário que as gerações futuras se questionem sobre quem foram as nossas referências e, neste caso, quem foi o “Artur do Montinho” e dizer-lhes que foi o primeiro presidente da Junta de Ponte, num tempo entusiasmante mas difícil, do pós  25 de abril”, disse.

Sobre a obra a inaugurada, Domingos Bragança referiu ser mais que uma simples ligação viária, considerando-a de “ligação essencial” e enfatizando as excelentes condições para quem precisar de fazer a ligação a pé entre o Centro Escolar de Ponte, escola do 1º ciclo e a sede do Agrupamento onde se insere, frequentada por alunos do 2º e 3º ciclos de ensino. “Temos de dotar o acesso às nossas escolas de conforto e segurança porque é onde estão as nossas crianças. Quero e desejo que todas as nossas escolas do concelho de Guimarães, sejam ´zonas 30´, onde não se possa ultrapassar a velocidade de 30 kms horários. Os passeios têm de ser construídos para as crianças poderem andar a pé em segurança e se sintam seguras até encontrarem a sua casa, o seu meio de transporte. É isso que temos de fazer”, disse sobre o assunto.

Para Domingos Bragança, o investimento na Educação, nos equipamentos escolares e suas acessibilidades “não é despesa”. Por isso, defendeu que “a Escola é o pilar do presente e do futuro. O investimento na Educação é, para nós, primordial. A Escola significa aquisição de conhecimento, de competências para lidar com o presente e com o futuro, significa dotar de conhecimento as nossas crianças e os nossos jovens que serão os cidadãos de amanhã com competências técnicas mas, essencialmente, humanas e de cidadania. É o que nós temos de fazer. Temos de lhes dar todas as condições para gostarem da sua escola, de irem à sua escola e os pais não precisarem de tantos cuidados quando deixam os seus filhas na escola. E é isso que vamos continuar a fazer. Requalificar as escolas, ampliar as escolas, dotá-las de cada vez mais valências, fazer com que também sejam espaços agradáveis, autênticos jardins e que as acessibilidades também o sejam, com todo o conforto e segurança”.