PUB
Guimarães e Lisboa na corrida para Capital Verde Europeia
Guimarães e Lisboa na corrida para Capital Verde Europeia
Segunda-feira, Novembro 13, 2017

São duas as cidades portuguesas para ser Capital Verde Europeia em 2020. A Comissão Europeia entregou as candidaturas a um grupo de especialistas que ficará encarregue de fazer uma segunda seleção das cidades finalistas. Apenas em junho se saberá que cidade sucederá a Oslo.

A lista das cidades cuja candidatura a Capital Verde Europeia foi considerada válida foi anunciada na passada sexta-feira, 10 de novembro, pela Comissão Europeia. Das 30 cidades candidatas, 28 terão de defender as suas propostas, sendo que em Portugal há duas cidades a disputar o título – Guimarães e Lisboa. A capital portuguesa é já repetente no concurso, tendo apresentado candidatura para 2019.

Para a Comissão Europeia esta ronda de candidaturas para a Capital Verde Europeia em 2020 tem um significado especial. Neste ano a iniciativa estará a assinalar dez anos de existência. O ano de 2020 registou o maior número de candidaturas. Em 2010 a Comissão Europeia introduziu a figura da Capital Verde Europeia para estimular o processo de implementação de políticas ambientais nas cidades europeias.

As 28 candidaturas, apresentadas por 21 países, serão agora analisadas por um juri composto por um painel de 20 especialistas indicados pela Comissão Europeia. Este grupo produzirá uma shortlist que deverá ser divulgada no próximo mês de abril de 2018, seguindo-se sessões de apresentação com as delegações de cada candidatura perante um juri do concurso. A escolha da Capital Verde Europeia 2020 será finalmente anunciada em junho.

Até agora foram conhecidas dez cidades Capital Verde Europeia. A primeira cidade a receber este título foi Estocolmo, na Suécia, em 2010. Atualmente detém o título a cidade alemã de Essen e para o ano será a cidade de Nijmegen, na Holanda a Capital Verde Europeia. Em 2020, pela primeira vez, a Comissão Europeia deverá libertar uma verba de 350 mil euros.

O título de Capital Verde Europeia surge numa altura em que mais de dois terços da população europeia vive em ambiente urbano. Esta concentração populacional em crescendo levanta um conjunto de reflexões, que terão de produzir soluções para que as comunidades consigam garantir que as próximas gerações não sejam afetadas com os modos de vida atuais.

As candidaturas e os seus planos de ação foram analisadas à luz de um conjunto de critérios como medidas de mitigação e adaptação às alterações climáticas, a mobilidade, qualidade do ar e ruido, biodiversidade entre outros domínios.

De acordo com a Comissão Europeia, as cidades selecionadas como Capital Verde Europeia poderão beneficiar de uma especial cobertura mediática durante o ano em que detêm o título de Capital Verde Europeia. As cidades que têm sido capital verde registaram um incremento no turismo e numa melhoria do seu perfil internacional.

Lista das Capitais Verdes Europeias
2010. Estocolmo, Suécia
2011. Hamburgo, Alemanha
2012. Vitoria-Gasteiz, Espanha
2013. Nantes, França
2014. Copenhagen, Dinamarca
2015. Bristol, Reino Unido
2016. Ljubljana, Eslovénia
2017. Essen, Alemanha
2018. Nijmegen, Holanda
2019. Oslo, Noruega
2020.

Artigos Relacionados