PUB
Guimarães adere ao “Green City Accord Clean and Healthy Cities for Europe”
Guimarães adere ao “Green City Accord Clean and Healthy Cities for Europe”
© Direitos Reservados
Quinta-feira, Janeiro 7, 2021

O município de Guimarães dá mais um passo em busca de se tornar uma cidade mais verde, mais limpa e saudável com a adesão ao acordo Cidade Verde, uma proposta que vai a discussão na próxima reunião de câmara, a 11 de janeiro.

O Acordo Cidade Verde, “Green City Accord Clean and Healthy Cities for Europe”, une presidentes de câmaras municipais e líderes de governos locais na europa, em torno de uma visão comum de uma vida urbana promotora da saúde e sustentabilidade em que, até 2030 são firmados os seguintes compromissos: estabelecer, dentro de dois anos, os objetivos nos cinco domínios do Acordo da Cidade Verde; planear e implementar políticas e programas de forma integrada, de modo a atingir os seus objetivos; reportar sobre os progressos, de três em três anos, através de uma ferramenta online atualmente em desenvolvimento.

Recorde-se que a Autarquia de Guimarães não se candidatou ao galardão ECO XXI Bandeira Verde 2020, um concurso que considerou, por três anos consecutivos, a cidade vimaranense como o município mais sustentável do país. É também de relembrar que a nossa cidade candidatou-se a Capital Verde Europeia, candidatura essa que resultou num quinto lugar devido a aspetos como a qualidade da água dos rios e a mobilidade descarbonizada, que ficaram aquém daquilo que era expectado.

Por isso, Domingos Bragança reforçou recentemente a intenção de proceder a nova candidatura em 2022. Relativamente a essa candidatura, o Presidente da Câmara, Domingos Bragança, tinha referido que “deveremos trabalhar durante todo o ano de 2021, para apresentar depois uma candidatura sólida. Farei tudo para que em 2022 possamos fazer uma candidatura com sucesso: uma candidatura para ganhar”, acrescentou.

Esta adesão ao Acordo Cidade Verde, “Green City Accord Clean and Healthy Cities for Europe”, é vista como mais um passo da candidatura a Capital Verde Europeia, uma vez que são dão definidas cinco áreas chave para atuação, nomeadamente qualidade do ar, água, natureza e biodiversidade, economia circular e, por último, ruído.