PUB
Festival Internacional de Guitarra institui-se como evento do calendário cultural de Guimarães
Festival Internacional de Guitarra institui-se como evento do calendário cultural de Guimarães
Paulo Dumas
Terça-feira, Dezembro 11, 2018

A quinta edição do Festival Internacional de Guitarra de Guimarães (FIGG), apresentado terça-feira, 11 de dezembro, reafirma a tendência de crescimento continuado, que tem caracterizado as últimas edições do festival.

Alicerçado num programa de apresentações de artistas internacionais, com vista à promoção da guitarra como instrumento central do festival, são acrescentados outros apontamentos que dão primazia à formação e aos estudos produzidos sobre a guitarra clássica.

Nuno Cachada, diretor artístico e um dos grandes dinamizadores do FIGG, apresentou o festival, descrevendo os vários argumentos do programa de 2018 do festival, que se iniciará no dia 18 e terminará perto do fecho do ano, no dia 29 de dezembro com a realização da última secção Concurso Internacional de Guitarra “Cidade de Guimarães”, que será transmitido pelas redes sociais.

O FIGG é um dos festivais associado à EuroStrings – uma plataforma que agrega alguns dos mais importantes festivais de guitarra na Europa. Com essa premissa, o FIGG será anfitrião de um conjunto de reuniões de trabalho desta plataforma europeia. Alguns dos artistas que passarão por Guimarães até ao final do ano, estão a fazer a digressão pelos festivais que fazem parte desta plataforma.

Além dos recitais de guitarra, o programa do festival coloca a tónica na formação, com a realização de masterclasses e de conferências. Destaque para a comunicação do neurocientista e investigador da Universidade do Minho, Tiago Gil Oliveira, que irá abordar os impactos que a aprendizagem da música tem no desenvolvimento e no comportamento do cérebro humano.

O festival é principalmente centrado na guitarra clássica e as peças têm um caráter erudito. Contudo, conforme confirmou Nuno Cachada, o festival está a ensaiar pontos de fuga que permitem ter novas perceptivas sobre o instrumento, que vão além da erudição das peças clássicas escritas para guitarra. Essa tendência resulta de uma amálgama das várias escolas de interpretação europeias, que deixaram de ter uma distinção clara.

Este será mais um “festival da cidade” ao juntar várias entidades vimaranenses na realização do FIGG. Os concertos, de entrada livre, passarão por vários locais – Igreja de Santo António dos Capuchos, Paço dos Duques de Bragança, Colégio Vila Pouca ou o Centro Cultural Vila Flor.

A programação detalhada do festival poderá ser consultada no site oficial do evento e as várias atividades poderão ser seguidas através da página de Facebook do FIGG.