O espaço público e a cultura
Segunda-feira, Julho 9, 2018

O Verão é o período por excelência que convida ao usufruto do espaço público e das praças da cidade. É nele que mantemos a memória viva e é da sua animação que resulta a vivacidade que o conserva de forma ativa.

Este fim-de-semana tem lugar a já tradicional Noite Branca, com animação para um público abrangente e que resulta na exaltação do tempo que convida à diversão.

Esta fruição do espaço público, será tão mais rica quanto os patamares de qualidade da atividade que nele ocorram, estejam garantidos. De 12 a 14 de julho é o Guimarães Allegro que está de regresso às praças e ruas do centro histórico, saindo da zona de conforto da música clássica, festejando-a e dando-a ao usufruto de quem passa. Música Erudita em festa e em plena harmonia com o Património da Humanidade.

Das mais diversas variantes na disciplina da música, é na componente erudita que tem residido uma das mais importantes apostas e tradições vimaranenses.

Uma cidade que vive, sente, compõe e produz música, como Guimarães, precisa de uma atenção cuidada com este eixo basilar.

Desde o ensino artístico à profissionalização, da aprendizagem formal do Conservatório, ou menos formal nas coletividades locais, à possibilidade de afirmação como artistas, seja de forma amadora nas associações, ou profissional em exemplos como a Orquestra de Guimarães ou o Quarteto de Cordas.

Com um cartaz pautado pela elevada qualidade e pelo cruzamento do profissionalismo com os nossos grupos amadores locais, permitindo-lhes a coabitação com nomes de referência, deixando ficar marca e evolução no tecido cultural deste território.

Ainda no domínio da rua, o mês de julho traz-nos duas novidades. A primeira já não é estreia, vai para a sua quarta edição, mas é ainda um espaço da arte em exploração e reinvenção. O Novo Circo volta a Guimarães sob a égide do Vaudeville Rendez-Vous.

A segunda é novo festival e concurso internacional de dança, nas suas mais diversas áreas. O Portucale Dance Awards premiará os melhores a concurso no Centro Cultural Vila Flor, enquanto que à cidade chega a componente de exibição dos seus participantes.

Nunca é demais lembrar que Guimarães é Património Cultural da Humanidade e uma Cidade Europeia de Cultura, que em 2012 foi Capital. Qualquer um destes títulos resulta da combinação entre uma programação cultural contemporânea de excelência e da vivacidade com que se mantem preservado o património.

Só quando vivido se torna de todos. E só tornando-se de todos é defendido por quem dele usufrui. Por isso Julho é na rua e no património, com programação cultural para todos.