Duas parcelas de terreno do Banco de Terras entregues a empreendedores agrícolas
Duas parcelas de terreno do Banco de Terras entregues a empreendedores agrícolas
© Direitos Reservados
Segunda-feira, Dezembro 17, 2018

Dois projetos agrícolas irão ser desenvolvidos em terrenos inscritos no Banco de Terra de Guimarães, numa medida articulada com Incubadora de Base Rural. Produção de cogumelos e uma quinta pedagógica irão desenvolver-se em terrenos que estavam sem uso.

Foram atribuídas duas explorações agrícolas a dois empreendedores vimaranenses, no âmbito da Incubadora de Base Rural, projeto desenvolvido pela Câmara Municipal. Os contratos celebrados com o município de Guimarães entram em vigor a 18 de janeiro de 2019, válido por 15 anos, com um custo de renda a variar os 600 e 750 euros ha/ano.

Marta Carvalho propõem-se promover a produção de cogumelos em modo biológico, num terreno com 2,79 hectares, situado na União de Freguesias de Atães e Rendufe. Miguel Figueiredo pretende desenvolver um projeto de uma Quinta Pedagógica, num terreno com uma área de 1,27 hectares, situado na União de Freguesias de Serzedo e Calvos.

Até 18 de dezembro está a decorrer a terceira fase de candidaturas do programa da Incubadora de Base Rural de Guimarães, denominada “Networking e Cooperação”, fase de apoio à transformação de Planos de Negócio em Negócio, a qual tem disponível um sistema de incentivos.

O Banco de Terras de Guimarães é um instrumento de transformação da estrutura fundiária funcional que permite, por um lado, combater a desertificação e desordenamento do solo e da paisagem de Guimarães e, por outro lado, gerar rentabilidade a proprietários de terrenos abandonados ou sem utilização, arrendando-os a novos empresários que deles necessitem para criar riqueza e emprego.