PUB
Dimensão de Caldas das Taipas XXV: Escolas IV
Sexta-feira, Outubro 4, 2019

17-10-1901 É aprovado o projecto e orçamento da obra de vedação do terreno da casa da Escola Oficial, da freguesia de Caldelas, na importância de 99$540 réis, e que a mesma obra seja posta em praça pública.

01-12-1901 Proposta para a criação de um curso nocturno na Escola Diária Masculina, tendo esta 800 pessoas de 12 annos para cima, a maior parte não sabia ler, escrever e contar; por isso, como a actual lei da instrucção primária faculta a criação dos referidos cursos, onde sejam necessários, metha à approvação da Junta a sua proposta. Em face disto, resolveu a mesma Junta enviar uma petição a Sua Majestade El-Rei implorando-lhe a graça da criação do dito curso, e ao mesmo tempo pedir a Excelentíssima Câmara de Guimarães, para custear as despesas que o mesmo curso vier a fazer, prestar a sua informação da necessidade do referido curso e fazer chegar ao seu destino a petição que se houver de enviar a El-Rei.

18-12-1901 É presentado ao Governo de Sua Majestade, o pedido da criação d’um curso nocturno na Escola Masculina Diurna, na freguesia de Caldelas, obrigando-se a Câmara a contribuir com as respectivas despesas.

18-04-1902 Officio do Excellentissimo Administrador do concelho de Guimarães, depois da sua leitura e como nenhum dos presentes pedisse a palavra, em Caldas das Taipas; terminando a sua exposição, deliberou, a Junta, approvar e informar positiva e cathegoricamente ser da máxima necessidade a criação de um Curso Nocturno para adultos e rapazes de mais de 12 annos de idade, estabelecido na escola official diurna do sexo masculino d’esta freguesia, com sede nas Caldas das Taipas, e regida pelo actual professor; diz, nesta escola, por a casa se achar em óptimas condições, tanto pela sua capacidade como por ser propriedade do município e estar mobilada, como por se achar situada nas proximidades da maior parte dos seus habitantes; pois que, constando esta freguesia de que faz parte, a importante povoação de Caldas das Taipas, de 1.300 almas aproximadamente, e quais na sua totalidade pobríssimas, além das que affluem às suas Thermas, só há poucos annos possui escola diurna, achando-se entre a sua numerosa população, 105 habitantes, só, de 12 annos de idade, analfabetos, como se pode provar pelo rol parochial, por não poderem adquirir em seu tempo competente a instrução de que tanto carecem, por serem na sua maior parte lavradores, caseiros, jornaleiros, garfeiros, etc. que, logo de tenra idade precisavam do dia para ganhar o seu sustento, devido a seus pais não lho poderem dar pelo ganho de suas próprias mãos. De muito consta à referida corporação terem manifestado desejos de puderem, se necessário, fosse as noites inteiras, para se instruírem, se por ventura tivessem a felicidade de terem um curso nocturno.

14-04-1902 Requerimento do Senhor Administrador do concelho de Guimarães, pedindo a necessária informação da Câmara acerca da criação d’um curso nocturno para o sexo masculino, na freguesia de Caldelas.

A 7 de Maio, o Vereador Dr. Marques acerca d’este assumpto fez a seguinte proposta: “atendendo a que o edifício para a escola d’instrucção primaria da freguesia de Caldelas foi feito por subscripção particular e offerecido à Câmara, estando a Câmara isenta do encargo da respectiva renda, e denunciando este facto a necessidade urgente de se atender à instrucção d’aquele importantíssimo Centro, um dos mais populosos do concelho; atendendo à representação da respectiva Junta de Paróquia dirigida a esta Câmara pondo em relevo a necessidade de criação do curso nocturno reclamado: vista a deliberação da Câmara de Guimarães, de Dezembro último pela qual se compromettem a concorrer com a verba precisa para as despesas de tal curso, e se compromette a concorrer com as despesas respectivas. Posta à votação da Câmara esta proposta, foi rejeitada por maioria, votando a seu favor o proponente e os Senhores Vereadores António de Freitas Ribeiro e Abade João Gomes de Oliveira Guimarães. Foi presente também uma representação da Junta de Paróquia da Freguesia de Caldelas, com data de 23 de Abril findo, pedindo a criação do curso acima referido, e sobre que a Câmara se manifestou deliberando informar desfavoravelmente.

24-01-1904 Requerimento do Senhor Sub-Inspector primário d’este círculo, pedindo para serem reparados os edifícios escolares da freguesia de Caldelas, que se acham em parte em estado de ruína, acompanhado d’um ofício dos respectivos professores, fazendo a descrição de quais as obras indispensáveis. A Câmara deliberou oficiar ao Senhor Sub-Inspector, perguntando qual a verba destinada para as obras no corrente ano, e qual a quantia despendida por conta d’esta verba, afim da Câmara proceder em harmonia com o preceituado na lei.

A 5 de Abril de 1905, o Senhor Sub-Inspector primário, do concelho de Guimarães, requer, participando que os edifícios escolares de Caldelas, carecem com urgência de reparos; e mandou este ofício à Repartição de Obras Municipais para orçar e projectar os indispensáveis.

22-04-1908 A Câmara deliberou aprovar o projecto e orçamento para a obra de reparação e melhoramento do edifício da Escola do sexo masculino e do sexo feminino, da freguesia de São Thomé de Caldelas, na importância de 99$940 réis, e de 99$950 réis, respectivamente, e mandou annunciar a praça para a sua execução. Tendo estas sido adjudicadas a 27 de Maio, a António da Silva Aranha, pela quantia de 99$000 réis, e a Domingos da Silva, pela quantia de 88$500 réis, respectivamente.

22-07-1908 Pagamento a Manuel José Pereira, professor official d’instrução primária da freguesia de Caldelas, dum prémio.

15-01-1911 A Junta de Freguesia principiou por expor em breves palavras que, vários parochianos, por diversas vezes, se lhe tinham dirigido verbalmente, dizendo que em crianças, seus pais, ou por descuido, ou por qualquer outro motivo, lhes não deram a instrução de que tanto agora necessitam e que, se em Caldas das Taipas houvesse uma aula nocturna, nella empregariam todo o tempo de que pudessem dispor, fora das lides dos seus serviços diários, para obterem uma instrução solida que lhes pudesse vir a ser útil e a pátria que tanto amam. Ora, como nessas condições estava uma grande parte dos adultos da parochia, propunha em face d’isso e em virtude do preceituado no artigo 35º do Regulamento da Instrução Primária, de 19 de Setembro de 1902, que a Junta sollicitasse do Governo Provisório da República, a criação de um curso nocturno para adultos, funccionando para acarretar menos despesas na Escola Official Masculina Diurna d’esta freguesia, pois que além disso, pela sua posição pode ser também aproveitável por adultos das freguesias circunvizinhas. Posta esta proposta à deliberação todos a acharam com grande aplauso, e a approvaram unanimemente, tendo firme esperança que, o Governo os atenderia, dotando-os com tão útil como prestimosa instituição, que tanta falta fazia aos numerosos adultos que d’ella se poderiam utilizar.