PUB
“Cumpri o programa sufragado em 2013”, Domingos Bragança
“Cumpri o programa sufragado em 2013”, Domingos Bragança
Alfredo Oliveira
Segunda-feira, Julho 31, 2017

Num ambiente de festa e com o Centro Cultural Vila Flor lotado, o Partido Socialista apresentou todos os seus candidatos às Juntas de Freguesia, Assembleia Municipal e Câmara Municipal, às eleições de 1 outubro de 2017.

Domingos Bragança, que apresenta a sua recandidatura a um novo mandato, pautou a sua intervenção com um relembrar das promessas cumpridas ao longo dos últimos quatros anos e projetou algumas “bandeiras” que defenderá nos próximos anos, caso vença as eleições: “Decidi, sempre com o objetivo de fazer de Guimarães um município melhor, uma cidade contemporânea, um território competitivo onde é cada vez melhor viver. Cumpri o programa sufragado, percorri todas as ruas da cidade e todas as estradas e caminhos das freguesias e foram erguidas várias bandeiras.”

Destacou a candidatura em curso a Capital Verde Europeia, “a maior visão para o futuro” do concelho que está subjacente noutros projetos que foram desenvolvidos e que pretende desenvolver nos próximos anos. Passou pelo desporto, “consolidado com a Academia da Ginástica, exemplo também de sustentabilidade ambiental”, pela cultura e educação “promovendo uma melhor escola para todos”, dando como um dos exemplos, o início da construção da EB 2,3 de Caldas das Taipas, o trabalho na ação social, bem como na defesa do crescimento económico do concelho e defesa da coesão territorial, “onde promovemos obras em todas as freguesias”.

Ultrapassando o texto que tinha produzido para esta altura, Domingos Bragança foi sistematicamente apresentando exemplos de intervenções que foram sendo concretizadas nessas “bandeiras” referidas.

Propõe-se a um novo mandato, pois entende que existem obras que já foram iniciadas e que gostaria de ver concluídas.
Começou pela via, a que deixou de chamar “via dedicada ao Avepark”, mas sim, “variante a Ponte e às Taipas”, que ligará o parque de Ciência e Tecnologia até à autoestrada em Silvares. “Via com financiamento assegurado pelo governo”, que ligará o Avepark à futura rotunda do parque industrial de Ponte, que continuará com a reabilitação de um pequeno troço da nacional 101 até Fermentões/Silvares, que fará a sua ligação, através de um desnivelamento, com a rotunda de Silvares, que, “por baixo ou por cima, vai-se fazer. Vamos ter uma ligação da autoestrada ao Avepark, está contratualizada com o governo”.

Outro financiamento assegurado, como Domingos Bragança afirmou, irá permitir, ainda que de um modo faseado, construir uma ecovia, com percurso pedonal, “a ligar a cidade a diversas vilas e passando pelas diversas freguesias banhadas pelo rio Ave, com a criação de praias fluviais, tudo em prol do projeto Capital Verde”.

O parque de Camões, com 400 lugares, a 50 metros do Toural, “irá permitir a pedonalização crescente do centro histórico e a reabilitação de todas as ruas envolventes” e a Escola Hotel na Casa do Costeado foram outros projetos avançados. Domingos Bragança passou ainda pelas reabilitações da Garagem Avenida, Teatro Jordão e da Avenida D. Afonso Henriques, que será mais pedonalizada e somente com uma faixa de estacionamento. Afirmou que será feita uma intervenção na EN 105, que liga Guimarães a Lordelo, a construção de um centro de saúde em Moreira de Cónegos. Avançou ainda com a iluminação pública LED em todo o concelho em 2018 e uma verba de 3,5 milhões para melhorar a eficiência energética das habitações sociais.

Domingos Bragança anunciou a apresentação do Instituto Cidade Guimarães para o mês de setembro, que será sede do projeto europeu Discovery Centre.
A grande novidade, com implicações em todo o território, foi a promessa de, em termos de transportes, “levar os transportes públicos de passageiros a todas as vilas do concelho e com conexão com as freguesias, de preferência com transportes elétricos”.
De referir que a intervenção de Domingos Bragança foi direcionada para um agradecimento especial a Amadeu Portilha e José Bastos, que cessam funções como vereadores e não integram a lista do PS à Câmara municipal.

José João Torrinha
Coube ao líder dos candidatos à Assembleia Municipal do PS a intervenção inicial nesta sessão que decorreu a 29 de julho no CCVF.
Pautada por críticas à “oposição de direita” que não consegue “conviver com o passado” e sempre posicionada “no lado errado da barricada quando tiveram que defender Guimarães”, exemplificando com o Hospital de Guimarães e o financiamento à Plataforma das Artes. Alertou para o tipo de campanha eleitoral que se avizinha, “com páginas anónimas” e teme que a “direita” passe ao lado de “um debate saudável”.
José João Torrinha apresentou um balanço positivo do mandato que agora termina e, concluiu, afirmando que Guimarães é “um concelho que dá gosto viver”.