PUB
Contrato de concessão do serviço público de transportes assinado com a GUIMABUS
Contrato de concessão do serviço público de transportes assinado com a GUIMABUS
© Direitos Reservados
Quinta-feira, Fevereiro 4, 2021

A Câmara Municipal de Guimarães procedeu à assinatura do contrato de concessão de serviço público de transporte rodoviário de passageiros de Guimarães com a empresa GUIMABUS – Empresa de Transportes de Guimarães, Unipessoal Lda.

Esta sociedade comercial foi constituída pela empresa Vale do Ave, a quem foi adjudicada a concessão dos transportes públicos no concelho. Domingos Bragança, presidente da Câmara Municipal de Guimarães, e Fernando Salgado, administrador da empresa, estabeleceram formalmente o contrato.

“Assinamos o contrato de concessão do transporte público de passageiros para os próximos dez anos. Segue-se agora o Visto Prévio do Tribunal de Contas para que a nova Concessão entre em funcionamento. Representará uma revolução no transporte coletivo de passageiros pela abrangência a todo o concelho e na sustentabilidade ambiental pela emissão de carbono zero nos 22 autocarros elétricos”, salientou Domingos Bragança na assinatura do contrato.

Já Fernando Salgado destacou a importância deste contrato. “É um contrato muito importante e ambicioso para a nossa empresa e para o município de Guimarães e vamos fazer todos os esforços para que corra de acordo com as expetativas. Penso que é um marco histórico dado o novo modelo de contratualização que será implementado e perspetivamos diferenciar-nos ao nível da oferta, qualidade da frota e plataformas digitais. Iremos introduzir inovações ao nível da comunicação com o cliente, localização em tempo real dos veículos e venda de títulos online”, disse.

Recorde-se que este contrato não tem sido pacífico, gerando a desconfiança da oposição, desconfiança essa manifestada nas reuniões de câmara. É o caso de António Monteiro de Castro, que na última reunião do executivo manifestou a sua preocupação. “Quando num concurso público não aparecem os principais operadores do mercado porque a proposta de 30 milhões não é atrativa, e aparece um concorrente que vence por metade do preço, obviamente que isso deixa dúvidas. Prevê-se a prorrogação do contrato com os TUG até 31 de dezembro, ressalta daqui a dificuldade na conclusão deste processo e estou em crer que este ano não iremos ter este projeto de grande alcance social e económico”, referiu.

O contrato em causa foi adjudicado pelo valor de € 15.105.766,94, acrescido de IVA, e terá um período de dez anos. o contrato está dependente da apreciação do Tribunal de Contas.