PUB
CLAV Live Session decentralizam-se, aumentam agenda e incentivam à leitura
CLAV Live Session decentralizam-se, aumentam agenda e incentivam à leitura
DR
Quinta-feira, Janeiro 21, 2021

As CLAV Live Session estão de regresso para a primeira temporada de 2021, a decorrer entre janeiro e junho, contando com várias novidades. Organizadas pela CAISA – Cooperativa de Artes, Intervenção Social e Animação CRL., as CLAV descentralizaram-se, aumentaram a sua agenda e têm também uma aposta no incentivo à leitura.

Estes eventos passam a ter dois espaços físicos em dois territórios diferentes, nomeadamente a conhecida sala do CLAV – Centro e Laboratório Artístico de Vermil e o novo palco, nos pólos da Biblioteca Municipal Camilo Castelo Branco.

Por outro lado, a juntar a este alargamento físico até Famalicão, as CLAV passam de uma para duas sessões mensais, estando assim programadas doze CLAV Live Session. “Pode esperar-se um conjunto de concertos que, obviamente, servirão também para a promoção dos próprios artistas; esta edição tem como novidade o facto de estas sessões ficarem mais descentralizadas e passarem a ter realizações no município de Vila Nova de Famalicão”, dá conta Alberto Fernandes, presidente da CAISA, em declarações ao Reflexo.

A juntar à música o evento deste ano inova com o incentivo à leitura, através da iniciativa “Traz um livro também” em que se pretende estabelecer o contacto com a leitura, neste caso através do contacto físico com os livros.

“Esta iniciativa pretende, acima de tudo, promover aquilo a que chamamos a parte física da vida. Vivemos atualmente numa vida muito digital e o objetivo desta campanha é promover a leitura: neste caso a leitura física. Ao mesmo tempo, quando for possível, porque ainda não o é por causa da pandemia, queremos que quem vem assistir às CLAV Live Session no Laboratório Artístico de Vermil possa doar um livro e nas bibliotecas levar um livro para leitura. Em traços muito gerais o nosso objetivo é promover a leitura de livros enquanto instrumento físico”, sustenta Alberto Fernandes.

O primeiro concerto teve lugar no pólo de Joane da Biblioteca Camilo Castelo Branco, seguindo-se já esta sexta-feira o concerto de Valter Lobo e posteriormente Lucas Argel e o vimaranense Mister Roland. “Podemos esperar algumas novidades ao nível de temas novos e mesmo apresentação de possíveis pré-produtos artísticos que os artistas têm em carteira. No caso do Mister Roland, por exemplo, vai apresentar um conjunto de temas novos que vão sair no seu CD”, adianta o responsável máximo da CAISA e programador das CLAV.

Mesmo num contexto pandémico, as CLAV live Session acabam por sobressair na medida em que estamos perante um projeto pioneiro no nosso país de utilização de um formato misto presencial e transmissão online, algo que acontece desde 2018.

“Infelizmente a pandemia está a condicionar tudo o que são eventos artísticos. Nós vamos continuar a fazer as CLAV porque podem ser feitas via online; o maior condicionante é não termos o público fisicamente. Continuamos a ter virtualmente e têm também formato televisivo, o que para nós é algo muito importante, porque além de poderem ser vistas nas nossas redes sociais também podem ser vistas no canal da Alma Lusa”, sublinha Alberto Fernandes.

Esta sexta-feira Valter Lobo sobe ao palco do Centro e Laboratório Artístico de Vermil a partir das 21h30.