PUB
Celtas por todo o lado
Quinta-feira, Fevereiro 13, 2020

Pormenor do caldeirão “celta” de Gundestrup (Dinamarca). Museu Nacional da Dinamarca, imagem Wikimedia Commons

A partilha do conhecimento geográfico na Antiguidade, por vários autores gregos e romanos, fazia-se muito, no que à identidade dos povos diz respeito, por comparação. Quando se descrevia a população de uma certa região, havia uma tendência para a identificar com outra, vizinha ou não, e para justificar as semelhanças por alegados movimentos migratórios: “A região A é habitada pelo povo B, que teve origem na região C”. Algo deste género. Desta forma, aliás, justificavam os gregos e romanos a sua própria origem…

A partir de uma região mais restrita que aqui já referimos, as atuais Renânia e Provença, os Celtas começaram a ser identificados, na ótica romana, como populações nativas de um território mais vasto: os Alpes, a região para lá dos Alpes, e a vasta Gália… A ponto de, no tempo de Júlio César, os Celtas serem propriamente os habitantes da Gália, não se diferenciando o substantivo “Celta”, de “Gaulês” ou “Galo”.

Mas à medida que os mercadores romanos iam ampliando as suas redes de comércio, e que as legiões iam controlando um território mais vasto, outras regiões iam mostrando a Roma, aos seus mercadores, legionários, estadistas e intelectuais, povos aparentados com os Celtas, partilhando características comuns com estes. A inexistência de escrita alfabética; a economia agro-pastoril; os deuses terríveis e demoníacos; a sacralização de alguns animais e outros aspetos da natureza, como rios, fontes e rochedos; a sociedade dominada por elites guerreiras; o habitat fortificado… Tinham sobretudo em comum a linguagem! Línguas que aparentavam ser da mesma família, incompreensíveis para os romanos.

A dada altura, para os autores gregos e romanos (é praticamente graças a eles que os Celtas chegaram até nós) os Celtas habitavam toda a Europa Ocidental, exceto os territórios controlados por Roma! Claro que alguns autores discutiam se esta ou aquela tribo seria Celta, e porque é que os Celtas da região A eram tão diferentes da região B… Mas as características que se conheciam eram suficientes para diferenciar os povos nativos da Europa dos Romanos (e dos seus gregos avós…). Isto no que se refere ao Ocidente da Europa! Porque os povos do Norte de África e do Próximo Oriente não eram seguramente Celtas…

Não foi preciso passar muito tempo para concluir que os Celtas teriam sido um povo migratório, que se espalhou por vastas regiões… Curiosos peregrinos que terão chegado também à Península Ibérica.

No próximo texto procuraremos saber quem eram os “Celtiberos” e outros parentes ibéricos. Embora se comece aqui a perceber a nossa reserva quanto a Celtas nos nossos castros.