PUB
Celebrar o 25 de Abril… em 2020!
Quinta-feira, Abril 23, 2020

Em casa. É assim que Guimarães vai evocar os 46 anos da Revolução dos Cravos que restituiu a Liberdade ao país. O mesmo país que, quase meio século depois, está confinado aos seus domicílios por imposição de um vírus silencioso que paralisou e emudeceu o mundo. 

Por cá, a habitual sessão solene alusiva às comemorações do 25 de Abril de 1974 não se realiza na Plataforma das Artes e é substituída por mensagens gravadas em vídeo, que serão partilhadas no sábado, a partir das 11 horas, na página de Facebook do Município de Guimarães.

Através deste mesmo meio digital, simbolicamente às 00h20, será publicado o tema “Grândola”, de Zeca Afonso, gravado no ano passado no concerto “Sons da Liberdade”, pela Sociedade Musical de Pevidém e Coros de Guimarães. À tarde, às 17 horas, será transmitido em direto o concerto “Outros Palcos, Mais Liberdade”, com artistas vimaranenses onde prevalecerá a música, artes plásticas e a declamação de poesia.

Ao mesmo tempo, a iniciativa #LiberdadeEmCasa convida os vimaranenses a assinalarem o 25 de abril com a publicação de uma mensagem onde digam o que é a Liberdade neste período de confinamento. Uma fotografia, um desenho, uma música, uma frase, um poema ou um vídeo, enfim, algo tornado público com o hashtag #LiberdadeEmCasa que represente, hoje, a vontade de nos vermos livres novamente.

Esta é uma comemoração diferente, como diferentes têm sido as nossas vidas neste ano de 2020. É uma celebração distintiva, mas carregada de elevado simbolismo, com a emoção e a alma típica do povo vimaranense, hoje privado da sua Liberdade para que, amanhã, possamos ser mais livres.

Para combater a pandemia, foram para casa 4,5 mil milhões de pessoas (mais de metade da população do planeta). O comércio não essencial foi encerrado e o tráfego aéreo foi reduzido drasticamente, paralisando setores inteiros da economia mundial.

Num tempo de confinamento social, o ato aparentemente simples de ficar em casa eleva-nos à categoria de soldado na defesa de todos. Se há tempo em que damos valor à Liberdade, esse tempo é o que estamos a viver. Nunca, como antes, quisemos festejar a Democracia! Que, afinal, pode ser celebrada em qualquer lugar. O sentimento não muda. Porque o 25 de Abril está dentro de cada um de nós que defende a Liberdade.