PUB
Carla Cruz: “Orçamento de Estado para 2018 podia e devia ter ido mais longe”
Carla Cruz: “Orçamento de Estado para 2018 podia e devia ter ido mais longe”
Segunda-feira, Dezembro 4, 2017

A deputada do PCP eleita pelo círculo de Braga esteve esta tarde em Guimarães para fazer uma avaliação do Orçamento de Estado, aprovado na semana passada. Para Carla Cruz, este documento “podia e devia ter ido mais longe”.

“A resposta aos problemas estruturais do país e às necessidades das pessoas continua limitada por opções do Governo e do Partido Socialista, designadamente as metas de redução do défice que o Governo impõe a si próprio”, sublinhou a deputada, que destacou os investimentos direcionados para o distrito. Continuam por solucionar os problemas dos quarteis da GNR nas Taipas, Lordelo e Guimarães e dos bairros sociais do IHRU.

Para a Universidade do Minho são transferidos cerca de 124 milhões (123.715.249 euros), quase mais meio milhão (449.159 euros) do que em 2016. Para os serviços de ação social contabilizam-se mais de oito milhões de euros (8.122.103 euros). Já o Instituto Politécnico do Cávado e do Ave recebe 13 milhões (13.107.000 euros, mais 10,40%) enquanto os serviços de ação social recebem 426.076 mil euros. “Estes aumentos”, argumenta a deputada Carla Cruz, “correspondem ao objetivo de valorizar o Ensino Superior Público” mas continua a criticar “o peso excessivo das receitas próprias”, por via das propinas, taxas e emolumentos pagos pelos estudantes.

Destaque ainda para a subida de 10,19% do valor da transferência para o Hospital de Guimarães: quase 88 milhões (87.773.346 euros). O Orçamento de Estado prevê ainda, segundo o PCP, um aumento de transferências para Câmaras e freguesias, criticando, contudo que continua a não cumprir-se a lei das finanças locais.

O PCP ainda aguarda respostas para os problemas dos postos territoriais da GNR – com destaque para as Taipas, Lordelo e Guimarães – e a requalificação dos bairros do IHRU, que poderão passar a ser tutelados pelas Câmaras e que necessitam de uma intervenção urgente, como é o caso do da Emboladoura.

Artigos Relacionados